terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Gran finalle!


Carmen estava na TPM, ou melhor, Carmen "era" a TPM.
Todas as mulheres ficavam na TPM de 4 a 5 dias por mês, Carmen não! Ela só não estava na TPM 4 ou 5 dias por mês... O restante do mês era terrível.
Terrível de se conviver com ela porque ela explodia a qualquer momento. Chorava a qualquer momento. Respondia mal, brigava e dizia que ninguém a entendia. Era uma luta conviver com ela. Carmen saia frequentemente e descarregava sua raiva nas lojas. Ela tinha uma coleção de carnezinhos que se multiplicavam a cada nova crise de chôro ou de raiva... Essa era Carmen.
Quando estava namorando ela era possessiva. Terrivelmente possessiva. Seus namorados não podiam olhar para o lado que já era caso de guerra. Carmen vasculhava a casa dos caras, o carro dos caras, a carteira, os bolsos, os celulares, ela não dava um tempo nem pro cara respirar... Carmen era intragável.
Por esse motivo, mesmo Carmen sendo muito bonita ela sempre estava só. Seus namoros duravam apenas dois ou heroicamente três meses.
Com o passar do tempo essa situação foi minando a integridade psicológica de Carmen que foi se entristecendo cada dia mais. Ela foi se fechando em casa e foi ficando cada dia mais anti-social. Carmen estava num beco sem saída!
Um dia Carmen acordou mal, passou o dia todo triste e  pensou em se matar. Perdida nesses pensamentos ela decidiu pegar sua agenda telefônica e ligar pra todos que conhecia e reclamar da vida. Se pelo menos uma pessoa lhe demonstrasse amor ou consideração ela não se mataria e ainda faria um grande esforço pra mudar sua atitude.
Um a um ela foi ligando. Alguns viam que a ligação era dela e nem atendiam. Outros atendiam e falavam que não podiam falar agora. Outros atendiam e a tratavam mal desligando na sua cara.
E assim um a um foram desligando e não se importando com a situação e com as reclamações de Carmen.
Pronto! Agora ela estava decidida.
Amarrou o lençol na madeira do telhado da varanda, fez um nó, fez um laço e colocou uma cadeia debaixo.
Enquanto ela preparava esse cenário macabro Rex seu cachorro ficou desesperado. Começou a chorar, a grunir, a latir e a correr até o portão desesperado e voltar correndo para a varanda. Rex fez isso muitas vezes como se chamasse alguém para ajudar.
Até que conseguiu chamar a atenção de Robinho um catador de lixo que sempre passava pela rua. Robinho pulou o muro da casa de Carmen e no exato momento em que ela ia executar seu "gran finale" Robinho pulou e segurou ela no colo.
- Você está maluca menina?
- Porque você fez isso? Porque você me impediu de me matar? - Falou Carmen nervosa e tremendo.
- Porque isso não se faz! Por pior que seja a vida da gente a gente sempre é importante pra alguém. Se matar é burrice!
- Mas eu testei a minha agenda inteira e vi que eu não era importante pra ninguém, ninguém quis me ouvir!
- Dona Carmen - falou Robinho - a senhora é a única pessoa que me ajuda aqui nessa rua. A senhora sempre deixa os vários tipos de lixo recicláveis separadinhos pra mim. A senhora é a única pessoa que me oferece água e até me deu um panetone no natal pra qu'eu levasse pra minha filha. E tem mais... O seu cachorro ficou desesperado quando percebeu o que a senhora iria fazer. Então a senhora tem muita importância pelo menos pra duas vidas!
Esse episódio aconteceu a alguns anos atrás e nesse final de ano Carmen pôde comemorar uma grande passagem de ano, muito feliz, com muitos amigos, namorando já a seis meses um namorado novo e principalmente com Rex e Robinho, amigos para sempre!
 

23 comentários:

  1. Que legal!!!Que bom que Carmem teve uma boa segunda chance e parece, aprendeu! Gostei! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Oiê Amigo Careca!!!!

    Que texto mais fofo... amei! Vale a pena viver... vale a pena acreditar sempre! Se olharmos para o lado com um pouco mais de atenção, veremos muitos motivos para continuar.

    Lindo dia pra ti...

    Beijo doce

    Sil

    ResponderExcluir
  3. Pô, andrezinho, esse mal me acomete de forma que vc não faz ideia. TPM é meu sobrenome. Maaaaaas, só por alguns diazinhos. Hoje tive uma conversinha séria com o meu dotô, sobre essa tal de TPM…

    Eita, eu ri tdo gênio louco dessa moça… ri do começo do texto. Mas, confesso que nos últimos parágrafos o Robinho conseguiu deixar um nó na garganta aqui, viu!

    Muitas vezes gente intensifica tanto nossos problemas que não conseguimos ver o que há de bom, né!?

    bjksss JoicySorciere => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  4. Poxa vida...quem dera que todos tivessem um rex e um Robinho por perto....

    ResponderExcluir
  5. O motivo para não fazer isto é o destino final, inferno.

    Não ligo muito para a opinião de terceiros. Como dizia minha tia quem faz necessidades fisiológicas não é melhor do que eu.

    Mas sei que tenho um amigo especial, não é um cachorro, nem um avião, nem o superman...

    é JESUS.

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. André meu amigo, sem nenhuma falsidade ou querendo fazer tipo aqui, isso não é do meu feitio, seu texto me emocionou. Quanta gente tira sua vida de maneira estupida por pensar como a protagonista desse seu exemplar texto. Olha André, te parabenizo meu amigo, abriu o ano em seu blog com chave de ouro, como dizem. Um fraternal abraço, amigo. Seja bem-vindo a 2012.

    ResponderExcluir
  7. Pedala, Robinho!

    Agora é bom olhar para os lados vez em quando, não é? E saber com quem REALMENTE se pode contar. Às vezes aquele "amigo" demonstra que não se pode contar com ele na hora da necessidade.

    Um pouco de atenção, é o que as pessoas querem. ( embora muitos queiram "forçar" isso de modo errado, através de possessividade, ciúme exacerbado, como se isso fosse "demonstração de amor". Certamente a Carmen mudou de atitude após o alerta do Rex e da intervenção do Robinho - e assim ela conseguiu a paz, finalmente. Mudar de atitude diante da vida também é bom...)

    Abraço! :)

    ResponderExcluir
  8. É verídico, André??
    Cara, me emocionei! Ás vezes acontece com a gente, de achar que ng nos ama, ng nos quer, que somos a escória do mundo. Porém, sempre tem alguém que sente nosso falta, ou nossa presença. Sem contar o valor inestimável que temos pra Deus!
    Linda história, André!
    Feliz 2012 pra vc. Muito sucesso!
    BeijO
    evesimplesassim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. É... Há mtas Carmens por aí, Dedé! Pena q nem tdas se deparem com anjos como o Robinho e o Alex, né?

    ResponderExcluir
  10. Oi André!!!
    Sabe, embora seja um conto, essa é uma situação mais real do que a gente imagina...
    Mas é aquilo, por mais que pareça NUNCA estamos sozinhos..sempre tem alguém.
    E sobre TPM..minha mãe fala que eu sou estressada-tpm quase todos os dias do mês kkkkk.
    Olha eu que tenho de agradecer por você ter respondido ao primeiro comentário que deixei no seu blog e de lá pra cá estamos sempre conversando um com o outro, trocando idéias. Memso que tenhamos algumas opiniões diferentes. Espero que em 2012 continuemos conversando assim, trocando idéias e opiniões!!
    bjs e bom começo de ano!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Bela história!! Você sabia que o nome da minha esposa é Carmem??? Um grande abraço!!
    jorge-menteaberta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Tá de parabéns então... me convenceu!! Deveria escrever novelas, seu poetinha *-*

    BeijO e obrigada pelos votos!!

    evesimplesassim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Dedé, tudo bem?
    Nossa a Carmem não tem TPM tem outra coisa, viu? rsrs
    Mas pois é, muitas vezes acontece com a gente mesmo, de não observar o valor das pequenas coisas, ou mesmo, que existem pessoas que podem ser boas, estarem presentes em pequenos gestos.
    Bonita mensagem!
    Parabéns!

    Abração aos três mosqueteiros! :)

    ResponderExcluir
  14. Tá, eu chorei...
    Nossa, que texto mais bonito e bem escrito!
    Eu amei!
    Ainda bem que a Carmem percebeu que a vida é muito valiosa!
    Obs: É por isso que eu gosto de animais, eles nos amam mesmo quando todo mundo nos acha chatos.
    Tô seguindo!
    Beijos
    http://giselecarmona.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. hahahaha mas ele lê em português?

    Dá pra mandar só não sei se chegará hehehe

    ResponderExcluir
  16. É melhor fazer uma canção, está provado que...

    ResponderExcluir
  17. Olá André,
    Uma pessoa como a Carmen afasta mesmo os amigos namorados e até familiares. Um temperamento intempestivo e de difícil convivência. Reclamações habituais também contribuem para o afastamento das pessoas. Mas nada justifica querer tirar a vida, que cabe a quem a deu, ou seja, Deus. O desequilíbrio dela não a permitiu olhar para si e constatar que precisava mudar sua maneira de viver.
    Ainda bem que o Rex e o Robinho mostraram a ela que todos nós temos importância e representatividade para alguém, despertando-a novamente para uma vida diferente.

    Adorei o conto. Parabéns!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. André,

    Já estive aki em seu blog vária vezes, adoro lêr seus textos. estou te seguindo e será uma honra tê-lo como amigo, se assim desejar.

    www.sitok-sitak.blogspot.com

    beijos, da Graci.

    ResponderExcluir
  19. Estou morrendo de saudades desse meu amigo meio torto...mas vendo sua foto vejo que és sorridente,isso já te faz ser amado,kkkkkkkkkkkkkk
    saindo da brincadeirinha ...estou com saudades sim de vc.Posso?
    Menino do céu!
    Que mensagem mais linda e emocionante...vc sempre se superando nas escritas,e eu sempre te elogiando né!Assim não dar,kkkkkkkkkk
    Bjs com sabor de verão meu amigo querido!

    ResponderExcluir
  20. Quando comecei a ler pensei duas coisas. Primeiro: poxa, como o André pensa mal de nós, mulheres! Depois passei pra: poxa, essa Carmen é uma psicopata psicótica... rssssss

    Quando avancei na leitura vi que a Carmen é uma de tantas pessoas espalhadas pelo mundo que sofrem de careência crônica por conta do egoísmo e individualismo e, o pior, escondem sua carência atrás de mau humor e alguns ainda, atrás de ser o "alegrão" da turma... rsssss

    Ainda bem que ao final alguém abriu seus olhos e ela permitiu enxergar algo além de seu umbigo. Bendito catador! \o/

    ResponderExcluir
  21. Às vezes, as pessoas se envolvem tanto com seus problemas, que tornam-se incapazes de identificar o bem que transmitem a outras pessoas... E o auxílio vem de onde menos se espera!

    Gostei do conto, André!

    ResponderExcluir
  22. Não basta só querer atenção,é preciso dar atenção tbm.Carmem não tinha ideia em sua,loucura,pq isso não é TPM,que ajudava e se importava com alguém.
    Conheço algumas pessoas assim e ,sinceramente,tenho pena delas.
    Bacana o conto,Andre.
    Bjca

    ResponderExcluir
  23. Nossa, de tirar o fôlego Dé!
    Devemos entender mesmo que tudo, só depende da gente!
    Adorei ler isso!
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!