segunda-feira, 7 de maio de 2012

Mariana viajou e Graziela se casou


Rodolfo namorou com Graziela desde a adolescência. Com o passar do tempo Rodolfo foi se transformando num rapaz ciumento e obsessivo que não aguentava ver a inteligência e a beleza de Graziela que realmente chamava atenção por onde passasse.
Luiz e Mariana namoravam a oito anos. No quarto ano de namoro decidiram morar juntos, a vida deles era perfeita, eles realmente se amavam, eles realmente se respeitavam e viviam bem!
Chegou um dia que a Graziela não aguentou mais as crises de ciúme de Rodolfo e decidiu terminar o relacionamento. Rodolfo não aceitou e chegou até a bater em Graziela. Foi uma briga enorme que mobilizou os vizinhos e até a polícia que teve que prender Rodolfo que após o pagamento de uma fiança foi liberado.
Mariana que era bióloga recebeu uma oferta de emprego no Canadá onde ela teria uma enorme chance de ficar bem de vida e ainda fazendo o que mais gostava, só que Luiz era promotor e tinha uma carreira brilhante pela frente.
Graziela começou a namorar com Ricardo uns três anos depois da separação com Rodolfo, só que ele não aceitou isso e passou a ameaçar os dois. Ligava pra ela todos os dias, mandava cartas dizendo que não aceitava que ela namorasse outro, fazia um inferno na vida de Graziela.
 Mariana e Luiz estavam num bêco sem saída, ela tinha a maior proposta que um biólogo poderia ter, e ele tinha uma vida pela frente num ramo em que ele havia lutado muito para conseguir. Essa situação começou a martelar na cabeça deles até que em uma discussão Luiz  falou pra Mariana ir pro Canadá sem ele.
Rodolfo resolveu que não iria abrir mão de Graziela e não a deixaria se casar com Ricardo, o casamento estava marcado pro próximo sábado as 20 horas.
Sábado as 20 horas sairia o vôo que levaria Mariana ao Canadá, numa última conversa ela deixou claro para Luiz que se ele aceitasse ela abandonaria o convite de emprego e ficaria no Brasil, mas Luiz não achou justo atrapalhar o sonho de Mariana, mesmo amando-a como a amava. 
Rodolfo foi a uma bôca numa favéla e comprou um revólver.
Mariana se despediu de Luiz e foi de taxi para o aéroporto.
Graziela estava se preparando para ir pra igreja.
Rodolfo bebeu a tarde inteira pra tomar coragem de executar sua vontade.
Quinze para as oito Luiz se arrependeu, correu até a garagem e saiu em disparada com seu carro para tentar impedir Mariana de viajar.
Quinze para as oito Rodolfo tomou coragem, pegou a arma, carregou-a e partiu com seu carro pra matar Graziela e Ricardo na porta da igreja.
Luiz estva a 120 por hora na marginal, apodando todos os carros, desviando dos motoqueiros, enquanto Rodolfo vinha em sentido contrario ziguezagueando e correndo o máximo que o carro podia dar, os dois cada um movido por um tipo de pensamento vinham fazendo loucuras no trânsito, correndo riscos e pondo todas as vidas que passassem por eles em risco também.
Foi então que num cruzamento dois carros colidiram de frente, outros carros que vinha atrás foram batendo, batendo, batendo e isso se transformou no maior engavetamento que aquela cidade já havia visto. Os dois motoristas morreram na hora e pedaços de peças de carro se espalharam por quarteirões inteiros.
A polícia chegou, os bombeiros chegaram, as pessoas foram parando seus carros no engavetamento.
...
As oito horas em ponto de um lado do engavetamento Rodolfo olhou no relógio e pensou: - Isso deve ser um sinal de Deus... Eu ia fazer uma cagada e ia me ferrar pro resto da vida!
Do outro lado Luiz sentou-se no capô do seu carro, e olhando para o caos a sua frente, franziu a testa e pensou: - É... Talvez seja melhor assim...

Re-postagem de um texto que gosto muito. De vez em quando gosto de fazer isso para que novos leitores possam  ler e dar suas opiniões e pitacos.

39 comentários:

  1. Ola André,
    Muito legal seu texto! As vezes o destino nos dá mais uma oportunidade para refletirmos antes de fazermos as nossas cagadas por ai, assim como Rodolfo e Luiz.


    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que aparecem essas oportunidades né Flavão!

      Excluir
  2. Dedé, amigão.
    Lembro-me deste texto teu, não sei o que comentei na época, mas ontem aconteceu algo curioso. Eu estava cantando: "entre tapas e beijos" do Leandro e Leonardo, simmmm... não ri, Dedé! hahaha
    Minha filhota de 5 anos me perguntou: mas se é amor porque tapas?
    (Viu como eles estão espertos? Imagina o que o Samuelzinho vai dizer daqui a pouco)
    Eu nem soube o que responder direito e disse algo do tipo: é só a letra da música.
    Mas é verdade, se é amor, para que tapas? para que coisas ruins?

    Abração nos três!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissa não fica cantando essas porcarias pra sua filhinha não tadinha...

      Excluir
  3. Oi André... Meu Amado Amigo!

    Quantas saudades...

    O texto é simplesmente lindo! Gostei demais!

    Beijo doce com o carinho de sempre.

    Sil

    ResponderExcluir
  4. Olá André,

    Me lembro desta crônica, mas também não me recordo do comentário que fiz, à época.
    No caso, a mão de Deus operou-se, impedindo que Rodolfo e Luiz tomassem atitudes movidos pela emoção e que trariam consequências desastrosas à vida dos envolvidos.

    O mais interessante da crônica é que, a certa altura, parecia que ambos eram os motoristas que provocaram o acidente e que morreram na colisão dos carros.
    Você foi genial ao conduzir a crônica.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verinha, enchergar a mão de Deus é o que falta nesse mundo!
      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  5. Oi André,
    Você viu que sou eu aí em cima? É que estou ensaiando uma nova foto de perfil
    (rsrsrsrsrsrs).

    Boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehehehhehehehehehehhe, essas meninas...

      Excluir
  6. Esse eu já conhecia! Foi bom reler!
    Pena que as vezes precisam acontecer desastres para que possamos ver o que é obvio né?!

    Beijos Dé!

    ResponderExcluir
  7. Foi a primeira vez que li este texto. Sou leitora recente, verdade. Bom então é assim. Primeiro, um texto que reflete uma certa realidade cada vez mais presente especialmente cá deste lado do oceano. Segundo,muito bom o suspense de que os carros a transgredir podiam ser do Luis e do Rudolfo. Terceiro, não me parece muito normal o raciocinio do Rudolfo depois de anos de ideia fixa e de uma tarde a "enxarcar-se" em álcool. Por fim, cá se diz que "o que tem que ser tem muita força" E estava presente na mente do autor que a Mariana iria para o Canadá e Graziela se casaria.
    Um abraço e parabéns pelo texto. Gostei muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Elvira! Seus comentários são sempre muito coesos e sinceros!

      Excluir
  8. Amigo querido,

    Tudo bem? O texto é maravilhoso! Passo no final do dia.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Pensei que os dos tinham provocado o acidente. Nem sempre a vida nos oferece mais uma oportunidade e quem a recebe deve abraçá-la, com fervor e agradecimento a Deus.

    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coitados Mary! Só faltava eles morrerem né? Hahahahahahha.

      Excluir
  10. Fala parceiro invisível!
    Rapaz... Você me enganou direitinho, eu poderia jurar que os motoristas que colidiram e morreram eram os protagonistas do conto. Sei que tem "cara" de crônica, mas para mim é um conto.
    Gostei desta sua ideia de republicar para os seguidores mais recentes posts antigos.
    Quando for um blogueiro veterano, penso fazer a mesma coisa.
    Fiz isto somente no aniversário de um ano de meu blogue, postei a primeira crônica que, obviamente, não teve nenhum comentário quando foi publicada por não ter seguidor algum.
    Mesmo sendo um ex parceiro invisível, eu disse no Telinha que já acompanhava seus posts, seus escritos sempre trazem alguma mensagem e eu aprecio trabalhos assim. Devo concordar que temos realmente muitos talentos na blogosfera e espero que consiga finalizar e publicar em breve seu livro.
    Até a próxima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahhahahahha Valeu Cristhian - The invisible - V. Louis!

      Excluir
  11. O conto é massa, mas o final ficou excelente. Saiu do clichê. E ainda colocou uma moral, uma lição no texto.

    Ambos absorveram o sinal. Um por amor, e outro por ódio. E engoliram o a seco seus destinos e arrependimentos.

    Muito massa mesmo!

    Abss!

    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahhahahahha nunca me esqueço do dia em que você falou que escreveo tipo o Paulo Coelho com uma lição no fim dos contos, hahahahahahha.

      Excluir
  12. Que legal quando a vida dá chances..Lindo,pra variar!!!abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se meus textos tivessem a metadae da lindeza dos seus....

      Excluir
  13. e-mail respondido!

    Abração.

    Ps: Terminei de ver a última temp do Californication. Gostei, porém achei um pouco forçada. O último episódio achei ridículo. Aquela parte do tiro então, putz grilo. Simplesmente lamentável. Mas o Charlie tá foda haha. Ele é sempre muito foda. Acho que na terceira e quinta temp, ele tá bem melhor que o Hank. Tomara que a próxima temporada seja a última, pois a série não tem mais para onde ir. É sempre a interrogação quanto a ele e a Caren, crise com a filha e seus relacionamentos, já escreveu livros, roteiros, música, lecionou em faculdade... Sei lá para onde a série pode seguir. Não vejo mais muitos caminhos.

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahhahahaha mas o Charlie é bom mesmo Jim!
      No geral eu gostei muito dessa temporada. O Hank vai morrer daquele jeito!

      Excluir
  14. Rapaz...tá difícil arrumar tempo pra ficar ligado no blog (MUITO TRABAAAAAAAAAAAAAALHO), mas com esses textos bacanas, impossível não passar aqui. Um grande abraço meu camarada|!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... Mas pode ir passando mais vezes aí pô! Hahahahahahhahahahahhaha, valeu Jorginho.

      Excluir
  15. André, esse texto me tirou o fôlego.
    Aproveito para convidá-lo para escrever um texto intitulado"A importância da leitura em minha vida", lá para o meu blog, qd vc puder, no caso de aceitar.
    Esse texto irá para a coluna Amigos do blog.
    Caso aceite me mande um "alô" lá pelo Facebook mesmo , por favor, e desculpe convidá-lo aqui, mas é que seu texto me inspirou .*.*
    Pois é, falando no seu texto, achei totalmente real, ao mesmo tempo tão diferente no final, me surpreendeu, como a morte é bela no fim das contas, para várias pessoas e seus dilemas .
    Parabéns \o/
    Beijos
    Vivi
    Razão e Resenhas

    http://vivianeblood.blogspot.com.br/2012/05/resenha-questoes-do-coracao-emily.html#comment-form

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahhaha obrigado Vívi. MANDEI O TEXTO POR E-MAIL!

      Excluir
  16. Você é muito bonzinho acabou salvando os caras e eu que já tinha os visto aos pedaços.
    Mas valeu ficou humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehehehehehehehhe malvadão!

      Excluir
  17. Esse texto André nos reforça o seguinte pensamento, nada nessa vida é por acaso e tudo tem de fato sua razão de ser. Às vezes a vida nos oferece uma outra oportunidade, ou seja, uma chance para refletirmos e pensarmos sobre atos que poderíamos evitar. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. andré,
    onde começa o livre-arbítrio e as contingências do que não controlamos?
    li o teu texto de um sopro só e, acredita, deixou-me uma certa sensação de vazio e inquietação ao fundo da barriga.

    abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir
  19. andré,
    onde começa o livre-arbítrio e as contingências do que não controlamos?
    li o teu texto de um sopro só e, acredita, deixou-me uma certa sensação de vazio e inquietação ao fundo da barriga.

    abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir
  20. Pô! Chocante! Coisas do destino.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!