sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Saber viver


         

 Ela chegou da rua exausta, trabalhou o dia inteiro na casa da dona Ester. Lavou, passou, secou, limpou, enquanto dona Ester fazia um chazinho com as amigas para passar com mais alegria as horas enormes que o dia lhe trazia.
 Ela passou pela varanda com o balde enquanto dona Ester e suas amigas pareciam não lhe enxergar, ela passou pela varanda com a vassoura, com o rodo, com a roupa suja, com o sabão em pó, com sua dignidade ferida pois em nenhuma das vezes ninguém nem olhou pra ela... Nem lhe ofereceram chá, afinal ela não deveria gostar pois seu paladar não era acostumado com essas coisas...
Seu dia era curto e ao contrario das horas de dona Ester, seus minutos corriam e seu relógio lhe lembrava a cada instante que seu marido e seu filho chegariam as seis horas do serviço,  e as sete e meia o menino teria que entrar na escola já jantado e com sua roupa passada e agora ela lembrava que a roupa dele ainda estava no varal! "Deus ajude que não chova..."
Ela passou mais umas vezes pelas animadas e cheias de chá amigas de dona Ester quando ouviu uma delas falar em como era chato a serviçal da casa ficar passando pra lá e pra cá bem na hora do chá! Ela engoliu a seco e num breve instante teve vontade de voltar e falar um monte de coisas para essa infeliz... Mas tudo bem, o que lhe interessava no momento era o dinheiro do final do dia.
- Olha aqui o seu dinheiro – falou dona Ester olhando pra ela – acho que não vou precisar mais dos seus serviços, eu não gostei das suas idas e vindas perto das minhas amigas...
- Mas o que a senhora queria que eu fizesse se a sua varanda fica no meio do caminho entre a casa e a lavanderia?
- Bom como eu disse eu não vou mais precisar dos seus serviços.
Ela foi embora cansada, humilhada e feliz... Passou no açougue comprou meio quilo de carne moída e um quilo de músculo, passou no mercadinho e comprou cebola, cenoura e batata, passou no bar do seu Zé e comprou uma Tubaína... Valeu a pena trabalhar hoje!
Ela chegou da rua exausta, trabalhou o dia inteiro na casa da dona Ester. Lavou, passou, secou, limpou e chegou em casa finalmente. Chegou na casa onde era tratada com carinho pelo marido, com amor pelo filho, com festa pelo cachorro e como gente pelas vizinhas. Ela fez um picadinho de cenoura com carne moída, fez um feijãozinho novo, um arroz branquinho e junto com sua família jantou alegremente. Depois ela e o marido conversaram sobre o dia, juntos arrumaram a casa e esperaram felizes o filho voltar da escola... A vida dela era assim, triste e revoltante em alguns momentos mas muito feliz no restante do dia, afinal ela se amava e não desistiria da felicidade nunca!

28 comentários:

  1. Bom dia minha VERDADE!
    Quanta BOBAGEM!
    Amo vim aqui ler tuas verdades dentro das minhas bobagens,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,texto lúdico mas feito dentro do nosso viver...
    ESTOUUUUUUUUUUUUUU COMMMMMMMMMMMM SAUDADESSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS VIUUUUUUUUUUUUUUUUU
    BJS

    ResponderExcluir
  2. Dia a dia de tanta gente né?!
    Algumas pessoas não vivem, só tomam chá fora da realidade!
    Quer saber ela é muito mais feliz do que a Dona Ester...

    Beijos, vijei no teu conto! Adorei!

    ResponderExcluir
  3. Muito feliz sua postagem. E se formos analizar não é só com ela que acontece assim, é com todos nós assalariados, lógico que com mais sutileza, às vezes mais suave,delicado... mas acontece. É esta vida que muita vez nos faz, também, assim proceder com nosso irmão e como disse antes, na maioria das vezes, depende do grau de "importância" do cargo ou do "salário".
    Foi muito bom você ter dado um "toque". E o Samuel, já está chutando? Beijos na família.

    ResponderExcluir
  4. André!

    Lindo seu texto!!
    Quem será mais feliz? A Dona Ester ou Ela?

    Com certeza, ela. Porque que é feliz trata os outros com respeito.

    Um beijo...

    ResponderExcluir
  5. Olá André,
    Excelente sua crônica e abordagem.
    Muito comum este tratamento diferenciado para com as pessoas que ocupam posições inferiores.É a predominância do orgulho.
    Somos todos irmãos e necessitamos um dos outros.Não é a posição que dignifica o homem, mas seu caráter. Humilhar as pessoas é aviltante. Garanto que ela é bem mais feliz do que D. Ester e suas amigas, que devem levar uma vida fútil e vazia.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Realidade de muitos, porém poucos veem dessa forma. A maioria se revolta e faz da vida algo menor do que deveria ser.

    Gostei muito do conto, André! Tu escreveu de um modo que a leitura flui e a gente nem sente.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, Dedé!
    Que textaço!
    Muito bom teu conto, eu diria, maravilhoso!
    A dura questão social que mexe com as nossas vidas. Em alguns momentos, somos transparentes de deletados (sei disso já fui recepcionista a ganhava mal prá chuchu!)..., e em outros, somos felizes, com a família e amigos. Mas que bom que temos esses momentos felizes, com pessoas que nos deixam assim!

    PARABÉNSSSSSSSSSSSS!!!!!!!!!!

    Excelente fim de semana para ti, a Bonitona Andréia e o bonitinho Samuelzinho!

    ResponderExcluir
  8. Mais verdades que bobagens desta vez. Suposta mente.

    ResponderExcluir
  9. Querido André...

    Mais um de seus textos que fazem a gente se emocionar e refletir sobre o cotidiano. mundo está cheio de Donas Ester e de Elas... Elas que se tornam anônimas, onde seus nomes não importam, pois só se procura saber a disponibilidade pra realizar os serviços necessários,

    Um ótimo fim de semana pra você, sua família, pra Frida e pra os leitores desse maravilhoso blog!

    ResponderExcluir
  10. André, a ideia é superbacana; no entanto, creio que os personagens poderiam render um pouco mais. Sugiro apresentar os fatos não tão explicitamente, deixar mais implícitos (através dos gestos) os pensamentos e sentimentos dos personagens; sugeridos apenas. Nesse caso, quanto menos dizer, mais interessante pode soar para o leitor. Beijos e muito sucesso no blog!

    ResponderExcluir
  11. Gostei do seu conto... Infelizmente o mundo está cheio dessas "peruas" que nunca trabalharam na vida e não respeitam que trabalha de verdade!

    ResponderExcluir
  12. Fiquei bastante compenetrado nessa sua metáfora dos pensamentos simples (disse simples e não simplório), pois as coisas boas e que valem a pena encontram-se sempre no detalhe... Para que crê em deus, pois é, acho que podem encontrá-lo por lá: no detalhe.
    Muito bom texto, perfeito!!!
    Abraço amigão!!!

    ResponderExcluir
  13. Agora não pode mais, até diarista tem que ser registrada, e o assédio moral cabe em situações deste tipo se advogar com argumentos substanciosos.
    Cuidado madames ! rsrsrs.

    ResponderExcluir
  14. Essa união familiar cheia de prazer é o estimulante do qual necessitamos para vencer os desafios diários.
    Muito bom seu conto! Mostra duas realidades , dois mundos entrelaçados.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Pobre e fútil dona Ester! Feliz desta mulher que trabalha com honestidade, que ama e é amada sem precisar de subterfúgios. Belo texto e muito realista. Beijosss

    ResponderExcluir
  16. Oi André,
    Vim convidá-lo para ler o poema que o poeta Daniel Milagre fez para mim. Passe lá no meu blog que você encontra o caminho.
    Um lindo domingo para você.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Adorei o texto e olha André, não vou generalizar mas tem certos "humanos" q de humanos não tem nada.
    De pessoas assim quero distância meu amigo, energia negativa acaba com qualquer um!
    aushauhs'
    Abraços e Ótimo final de Semana =*

    ResponderExcluir
  18. Quantos brasileiros são humilhados no dia a dia do grande Brasil e do mundo, quantas pessoas engolem a seco desaforos e preconceitos de gente que se acha melhor, de gente que acha que tem sangue azul mesmo. eu prefiro o sangue vermelho quente que escorre do esforço do trabalhador, do humilde. Para mim quem tem sangue azul é barata, e barata é inseto....e inseto tem de morrer embaixo do chinelo.

    Me emocionei André....posso postar na minha pagina algum dia te dando os créditos ?

    entra no grupo que eu criei no facebook para divulgação de blogs !

    Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Estás ouvindo daí?
    Clap, clap, clap...São meus APLAUSOS e teu texto foi brilhante, li e degustei cada palavra, ficando com pena de ter chegado ao final.

    Muito legal e ela ,certamente é bem mais feliz que a Esther, com suas dondoquices de amigas...

    Podia ter menos, bem menos grana, mas garanto era mais GENTE, apesar de ter que engolir tantos sapos... abração,chica

    ResponderExcluir
  20. Anônimo6.11.11

    Excelente seu blog!! Realmente gostei muito e é certo voltar mais vezes! Um ótimo fim de semana!
    Meu blog: jorge-menteaberta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Bom de se ler seus textos, parabéns!
    Temos que valorizar mais o nosso dia a dia né?
    abraços

    ResponderExcluir
  22. Eu imaginei um final diferente, ela matando as amigas e a dona Ester de tanto ódio e revolta,mas deu até vontade de ter uma família agora ^^

    ResponderExcluir
  23. Não sei julgar momentos, prefiro generalizar. Momentos e fases da vida passam muito rápido tanto para D.Ester qto para sua feliz diarista.

    Abraço

    ResponderExcluir
  24. Nossa, seu texto é muito bom!

    ResponderExcluir
  25. Ola André!
    Essa é a realidade de muitos brasileros, tripla jornada de trabalho e mesmo assim felizes.
    Talvez porque a mesma saiba valorizar, apesar de tudo, os "pequenos prazeres da vida"

    Abraços, Flávio
    (aos poucos estou colocando o link dos amigos no JM)

    ResponderExcluir
  26. É,nos momentos difíceis é que devemos ver o lado bom das coisas. E teu conto expressou isso, o dia começou ruim, mas sua felicidade estava em casa e obviamente em ter conseguido um período de trabalho.

    Massa!

    Abração

    www.jimcarbonera.com

    ResponderExcluir
  27. Nossa, que lição de vida!!Depois de batalhar o dia inteiro, o restante do dia era super agradável e e feliz!!

    ResponderExcluir
  28. Ah, como a dignidade é valorável, não Carequinha?

    Texto "bão"!!!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!