sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Toda verdade sobre a música brasileira


No finalzinho da década de 70 e começo dos anos 80 a mulherada paulistana tinha uma trilha sonora padrão. Primeiro as 6 da manhã quando acordava pro maridão ir trabalhar elas ligavam seus rádios e escutavam o radialista Zé Bétio que trazia musicas sertanejas populares da época e algumas raiz, depois mais ou menos alí pelas séte e meia da manhã começava o programa do Gil Gomes, pra quem não sabe ele era um jornalista policial que contava os acontecimentos policiais de uma forma teatral com trilhas sonoras e efeitos especiais que mais parecia uma novela ou um seriado de aventura e emoção, depois dele vinha o Eli Corrêa que tocava as músicas do momento e da "saudade" como ele mesmo diz até hoje, ele mesclava alguns jovens cantores com cantores consagrados levando tudo de uma forma a pegar as pessoas pelas lembranças do passado.  Depois vinha o Barros de Alencar que era um pouco mais brégão e tocava os ídolos pupulares como Ovelha, Nahin, Trio Los Angeles, José Augusto, Amado Batista, Odair Jose, Waldick Soriano, Sidney Magal, Roberto e Erasmo Cralos (bregas sim porque não?), entre outros. Sem esquecer que algumas músicas internacionais que faziam um sucesso estrondoso na verdade era nacional... Isso mesmo, cantores como Cristian (que é o mesmo da dupla Cristian e Ralf), Morris Albert, Dave MaClin e tantos outros tocavam sem parar aqui no Brasil e alguns até fora do Brasil como no caso do Dave MaClin que chegou a ser primeiro, segundo, quarto e sexto colocado ao mesmo tempo nas paradas de sucesso do México, em terceiro lugar vinha uma banda local que gravou uma música dele e em quinto lugar vinha uma bandinha chamada The Beatles!
De vez em quando uma música vinda de outras tribos faziam sucesso nesses programas populares e tocavam até enjoar, ainda me lembro que o Ritchie que era um cantor do chamado novo rock nacional era tocado por esses caras com sua música "Menina Veneno" até 3 vezes numa mesma hora!
A mídia de hoje em dia não sei porque tem a mania de querer mascarar o passado falando que Caetano Veloso, Chico Buarque, Gal Costa, Jorge Benjor eram quem ditavam os rítimos dos sucessos nesses anos de 70 e 80, mas como um sobrevivente destes anos e como um cidadão que tem uma mãe que graças a Deus adora música e não desligava seu radinho pra nada eu posso afirmar com total segurança que o Brasil era embalado pelos cantores hoje chamados de brega mas que eram "os caras" daqueles anos.
Bom, na verdade eu não sei nos outros estados porque não existia internet e essa interação de hoje em dia era inconcebível naquele tempo, mas as mulheres paulistas e principalmente as paulistanas escutavam Fuscão preto, Taka taka taka, Feiticeira, Sem você não viverei, Conga la conga, Sábado, e mais tudo o que esses radialistas que falei alí em cima quizessem tocar. Escutavam com prazer e alegria porque esse era o som!





26 comentários:

  1. não posso, como deves calcular, confirmar a tese, mas sei bem que alguns cantores brasileiros que mencionas, hoje, como estando a ser sonegados como motes musicais de uma era no brasil, fizeram, também, história em portugal. não a maioria, mas recordo pelo menos um que, brega ou não, a rádio passou tantas vezes até ao rompimento de tímpanos: roberto carlos.
    é verdade que houve, igual e paralelamente, uma outra franja mais elitista (suponho) que vingou (e mantém-se) por cá; nomes como caetano veloso, ney matogrosso ou chico buarque, entre outros, pontuaram (e pontuam) eras e ritmos por cá, também.
    a diferença estava, parece-me, na frequência de rádio e nos públicos a que cada uma se destinava.
    um abraço, caro amigo!

    ResponderExcluir
  2. Bem, não posso constatar isso tb, mas sei o que meus pais escutam até hoje e sim, sao essas ai!
    A midia elege algumas caras e nos força a curtir e acredito que seja isso que aconteça com esses cantores que hoje são os "principais" por aqui!

    ResponderExcluir
  3. querido amigo,
    então a portuguesa está quase quase quase?...
    sabes que, em matéria de futebol brasileiro, tenho aquilo que nenhum outro tem: vários amores. como é que pode, em se tratando de uma área que vive da explosão do que de mais intuitivo, espontâneo, emotivo e até irracional nos define. pois, é verdade: tenho família vascaína no rio, razão por ter alguma simpatia pelo vasco da gama. por outro lado, sei que os portugueses-brasileiros tocem pela portuguesa, daí uma certa simpatia, também. por influência de um amigalhaço que vou reencontrar, cá em portugal, em novembro, o mineiro (ainda que vivendo nos states) roberto de lima, simpatizo com o cruzeiro. por fim, aprendi a olhar o internacional de porto alegre como o benfica do brasil, e o vermelhão do povo cá das terras de camões é aquele que me enforma o coração. a nossa querida cissa fez-me olhar o grémio com carinho. será que ainda há lugar para mais um?
    um forte abraço, com votos de sucesso para o grande são paulo!!! :)

    ResponderExcluir
  4. Sua mãe que adora musica?
    Sua mãe cantava muito bem e fazia parte da dupla 'Irmãs menezes' cantavam e encantavam nas festas e até em palanques na praça Francisco Barreto acompanhada do seu papai Criz.
    Eu assisti in locco e me sentia muito orgulhoso mesmo anonimo misturado à multidão...também nunca tive talento nem para segurar um pandeiro rsrs.
    Hê tempinho bão sô.
    Agora, BEATLES no meu ponto de vista é hour concour.

    ResponderExcluir
  5. Ovelha Negra!
    Eu curti ashuashuashuashu'
    Lembro da época que morava com minha avó, ela toda tarde escutava "Clube do Brega" Nosssssa!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk'
    Querendo ou não fez e faz parte do cotidiano Brasileiro.
    Nas rádios, para os que ainda escutam não é difícil escutar!
    Abraços Andre´!
    Linkando a postagem no Humor!

    ResponderExcluir
  6. Porra, André... sabia que eu tô lendo um livro que fala exatamente sobre esses caras?!
    Foi meu professor de matemática que me emprestou. É um livro do Paulo Cesar de Araújo chamado "Eu não sou cachorro,não" e fala sobre esses cantores bregas, tipo: Waldick Soriano, Odair José, Agnaldo Timóteo... E fala dessa coisa hipócrita da mídia enaltecer caras como Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil etc. e simplesmente ignorar quem realmente dominava as paradas de sucesso daqueles tempos: os bregões.
    E realmente, a maioria das pessoas (a classe-média baixa e assalariada) cresceram ouvindo esses caras. Essas pessoas não estavam ouvindo Caetano, nem Gil; a música que a grande massa consumia era a chamada música "cafona", mais conhecida por "brega" hoje em dia.
    Outra coisa que o livro fala também é que, além desses cantores nunca serem citados quando se fala em música brasileira, alguns, como no caso do Odair José, foram perceguidos pela censura militar.
    Esse mesmo professor já havia me emprestado a biografia do Lobão "50 anos a mil" - muito boa, hein! Foi ali que eu percebi que esse é um dos caras mais rock 'n' roll do Brasil... um sobrevivente.

    ResponderExcluir
  7. A MPB antiga é simplesmente o máximo. A atual tem coisas maravilhosas, mas creio que a música, assim como o vinho, adquire um sabor diferenciado com o passar do tempo.

    ResponderExcluir
  8. A boa música não tem época e os que a amam acabam passando esse sentimento aos seus descendentes. Esses chamados sobreviventes são de uma riqueza incalculável.

    Incrível, sempre estamos nos "esbarrando" nos blogs amigos e eu não conhecia seu espaço. Tenho que me redimir (rss).

    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Bicho, tu realmente gosta do Ovelha? Brincadeira. Bem, foi um post corajoso esse, assumindo um passado negro que ninguém quer assumi, mas que antigamente cantarolava a plenos pulmões. Lembro desse pessoal todo, e realmente fez um grande sucesso, hoje estão por ai, sumido, alguns ainda insistem em reviver a glória de outrora, como o Beto Barbosa, que crer piamente que a lambada dos anos 80 pode ter sim coabitar hoje com o emo do Restart e do Nx Zero.

    Pra falar a verdade, tiveram um grandioso sucesso e notoriedade todos os que vc citou acima, mas hoje em dia, olhando friamente, eram péssimos cantores com um horrível repertório, gente que se metia a ser cantor sem talento nenhum, pois era só emplacar um hit nas rádios, que vendiam LPs à vontade.

    Concordo no ponto em que tu disseste que, quando as pessoas olham para o passado, só querem enxergar o Caetano, Gil, Chico etc. mas esnoba esse pessoal que fez um tremendo sucesso.

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir
  10. André, eu me lembro desses caras, principalmente no "Qual é a música", do SBT. Realmente eram sucesso estrondoso na década de oitenta, e acabaram representando todo um estilo. Mas eu não gostava deles não... - rsrsrs

    Até!

    ResponderExcluir
  11. Nossa contou a história nos mínimos detalhes... Achei interessantíssima sua tese e a motivação de seu texto: a música. Sabe, faz muito tempo que não me permito ouvir rádio, pois acho que a mídia nos controla e massifica nossos gostos assim. Penso que as cores musicais são infinitas e não podem ser pintadas como genéricas...
    Adorei o passeio pela história midiática da música...
    Abraço Andresão!!!

    ResponderExcluir
  12. O problema é que esta música do ovelha é do Leo Sayer e ele era só cantor. Odair josé era compositor brega (pare de tomar a pilula...rs), caetano, Zé Ramalho e chico, principalmente chico as letras de suas musicas são estudadas em universidades nas disciplinas de letras. É os caras tem cacife. Por este motivo a mídia enaltece as composições de qualidade linguistica.

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Ola André,
    Aqui no RJ a programação era um pouco diferente, mas com muitas similaridades. Lembro da febre do Ritchie, um novo roqueiro no cenário brasileiro da época só que inglês! Seu sotaque era o máximo. Mas enquanto citou "menina veneno", outro som dele que emplacou muito aqui foi "Casanova", lembra? "boa noite rainha como vai? Sou seu coringa ou seu ás? Luvas de couro, meias de seda..."

    Pois é, nostalgia total, boa época!
    Abraços, Flávio.

    ResponderExcluir
  14. Boa noite meu amigo bonzinho!
    Ainda bem que vc deixou de reclamar,,kkkkkk
    Agradeço sempre sua passagem no meu cantinho,só engrandece...o torna mais rico...
    A boa música existe e sempre irá ficar...passará de geraçao para geração...
    Bjs meu querido!

    ResponderExcluir
  15. HUM...bobo...adorei seu Post. Mas vou fazer umas pequenas ressalvas, vou enumerá-las para não me perder, tá? Em tempo: NÃO é MAl CRIAÇÂO, não , viu?
    1- Eu gosto de música, qualquer uma que seja cantada, que tenha história a contar;
    2- O que faz sucesso em SP, necessáriamente não "ACONTECE" no RJ;
    3- Eu nunca ouvi falar em "Ovelha" e nem em "Nahim" são cantores ou banda?;
    4- Aqui no RJ eu escutava mesmo era Celly Campello,Golden Boys, Evinha,Renato e seus Blue Caps, Chico, Betânia, Gal, Paulinho da Viola, Miltinho, Caetano, Quarteto em Cy, MPB4, Joana, Roberto Carlos, Maysa, Mutantes e depois Rita Lee, As Frenéticas, BLITZ, Taiguara,Guilherme Arantes, Fafá de Belém, Lucinha Lins, Ivan Lins,Alcione, Elza Soares,Claudette Soares... e os estrangeiros: Charles Aznavour,Rita Pavoni, John Mathys, Bee Gees, Bread,Edith Piaf, Andy Willians Elvis Presley, Beatles ... Se eu continuar a folha não vai dar;
    5-Amigo... chamar a primeira banda que arrebentou pelo mundo afora de "bandinha"? Ah... sacanagem.Lembre-se as que você adora, agora, existem porque eles conseguiram virar os olhares dos empresários para um modelo que podia dar grana. Se você gosta de suas bandas como eu gosto de música...PEDE DESCULPA!!!!!!!
    AHahah...
    Quer dizer que seus Pais foram músicos? Ah , entendido por que você é essa PESSOA do bem... quem canta, quem gosta de música, agrada mais ao Pai.

    ResponderExcluir
  16. Oi André,
    Estou impressionada com os detalhes...
    Isto é que é estar bem informado sobre a música brasileira.
    Ótimo final de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Olá André! Creio que toda música tem sua época, elas vem e vão, mas muitas marcam, ultrapassam gerações, porém, hoje é difícil acontecer, não acredito que as músicas atuais serão lembradas futuramente. Grande abraço

    ResponderExcluir
  18. Dedé, tudo bem?
    Mas como você esqueceu do Márcio Greik (putz! agora como se escreve o sobrenome do sujeito?) Greic? Greique? Sei lá... a gente tinha uma empregada que só ouvia esse cara... nossa!
    Caramba!
    Mas hoje, eles são quem? Calipso? Pode ser...
    Ótimo post, amigo! Gostei mesmo!

    Abração e ótimo fim de semana para os três e manda beijinho especial para a Andréia que ela se cuide e coma bastante peixe e maçã, é muito bom para o bebê!

    ResponderExcluir
  19. Fala André,
    Você mesmo disse. Rádios populares.
    Tudo depende do segmento musical e seus ouvintes. Algumas pessoas se incomodam com o rótulo de brega e evidentemente isso não é nenhum mal. É apenas uma maneira de tentar explicar o porque de tanta popularidade para músicas que sempre falavam a mesma coisa.
    Enfim, há espaço pra todo mundo, basta as pessoas saberem diferenciar tudo isso aí.
    Os anos 60 e 70 foram maravilhosos em todos os segmentos da música.
    Abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  20. André, sempre muito legal te ler...E músicas tem as que nos marcaram e as que apenas ouvimos.. abração,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  21. Bahhhhhhhhhhh... André, que transmissão de pensamento... no outro dia eu tava pensando exatamente o mesmo que falaste.

    Aqui no RS tinha um cara que ficou conhecido por uma única música, "Nuvem Passageira", o Hermes Aquino. Eu e a Ana passávamos os dias cantando aquela música... e ela não citou ali, mas chegamos a comprar um "compacto simples" de um cara chamado Mauro Celso (nem lembrava mais disso... rssss) chamada "Farofafa"... a gente era criança e adoraaava aquilo... hehehehehehehehehehe

    Tens razão, esses que citaste, mais alguns regionalizados eram os hits que fizeram a verdadeira música nacional! Adorei o post!

    ResponderExcluir
  22. Andre..bom dia!!!

    Olha.. se era musica de boa qualidade eu nao sei..eu so sei que ouvi tudo que vc postou ai..rsrs
    E gostava,,tirando conga conga que era tocada a exaustao..
    Tinha ainda pepeu Gomes, Baby Consuelo...

    Sao epocas.....aho que hoje a midia e comprada pelas grandes gravadoras....

    Um beijo..bom dmingo..obrigada pelo carinho de sempre!!

    ResponderExcluir
  23. Sempre um prazer recebê-lo. Obrigada!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  24. Grande André, como vai1? Sei que tem, muito tempo que não acesso o blog, mas tô aqui, e me deparei como bem disseram acima com um post corajoso...rs
    Realmente existe essa "renegação" por parte das pessoas de muitos cantores do passado, o motivo não sei exatamente, mas é uma tendência que se repete em outras áreas também, como na televisão, onde muitos atores são esquecidos com o tempo.

    Abraço e ótima semana pra ti!

    ResponderExcluir
  25. OMG, eu não acredito que vc colocou os vídeos das músicas! Huhashsahuas...

    Não gosto de nada disso, gosto mesmo de Gal, Caetano, Gil, Bethânia, Chico, nossa velha e booooa MPB.
    Não acredito que eles dominavam, mas é como hoje né, em cada gosto há os dominantes.
    Música é sempre curioso.

    http://alteregodonuti.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  26. Anônimo25.10.11

    Uma dos grandes prazeres que temos de escutar boas músicas é que elas sempre nos fazem lembrar de bons momentos e que ficam eternamente gravadas em nossas vidas! Uma pena que hj em dia a qualidade músical da maioria dessas músicas que fazem sucesso está muito duvidosa e infelizmente as vezes temos que nos deparar com cada "pérola" q só nos resta lamentar. Mais é como diz o ditado, tem gosot pra td né?
    Grande abraço do seu amigo Érico
    obs: espero que consiga publicar meu comentário agora hehehe

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!