quinta-feira, 2 de junho de 2011

O filhotinho do Mc

No programa "A liga" dessa semana eles passaram uma noite com os Mcs do funk, o programa foi nos bailes e como sempre não se isentou de mostrar tudo como é na realidade desses eventos.
Um cidadão chamado Mc Smith na hora em que está conversando tem um bico doce e fala até em Jesus Cristo, fala em comunidade e em ajudar pessoas necessitadas, fala em dar amor para quem realmente está carente e fala na importância da arte que ele faz para a realidade dos morros...
Só que quando ele começa a cantar as letras dele só falam em fuzil na mão dos bandidos, fala que se o chefe do morro quizer "vamo mandá os míssil nos home", fala em Comando Vermelho, em sexo, muito sexo e prostituição. Outro Mc, o K9 (acho que é isso mesmo), tem uns dançarinos que beijam todas as meninas, dançam sensualmente com elas e instigam as meninas a subirem no palco e fazerem performances escandalosas. Uma menina se enganchou com a amiga e as duas faziam movimentos como se estivessem transando uma com a outra e enquanto isso seu vestido subia e sua calcinha ficava à mostra, o Rafinha (apresentador do programa) perguntou a ela o que ela falaria pro pai dela olhando para a câmera, ela olhou e falou "pai eu te amo, foi você que me criou".
O tal do Mc K9 disse que ele não deixaria a filha dele ir a um baile funk e fazer uma coisa daquelas, e disse que cada pai sabe como criar seu "filhotinho". Uai! A filha dos outros pode, a dele não pode?
Um nóia falou para a menina que também é apresentadora do programa que isso é assim mesmo, que o cara do interior fala das coisas do interior, que o playboyzinho fala das "coisa" dele e que "nóis da criminalidade falamos das nossas coisa".
Um casal no programa contratou um grupo chamado "Havaianos", pra dançar na festa da filha de 12 anos, a menina subiu no palco e dancou rebolando até o chão , e com um dos Havaianos encoxando ela à vontade! Entrevistaram os pais e eles falaram que acham o funk legal, que é uma brincadeira, que é tudo gente boa...
Ah mas a coisa tá feia mesmo! É um monte de gente alienado, é um monte de gente maluco que não tem medida mais sobre o que é certo e o que é errado.Durante o programa cada um dos Mcs fez 4 shows numa só noite e com alguns shows com mais de 10 mil pessoas!
Amigos acho que estão prostituificando e drogalizando a nossa juventude e os pais parece que estão cegos... Acho que certo mesmo está o tal do Mc K9 que não vai deixar a filha dele ir nesses lugares, porque um pai de verdade deve saber criar seus filhotinhos e com certeza esses bailes funk não são lugares legais pras ninhadas de pessoas boas!

22 comentários:

  1. Concordo plenamente.

    http://oentendimento.blogspot.com/

    ;*

    ResponderExcluir
  2. Puxa...Eu estou completamente por fora disso, pois não suporto isso mas pelo que vejo, isso não é fácil,heim???
    Tá certo mesmo o que fala que a filha dele não vai, Mas e os outros pais? Nada veem?

    Que coisa! Tá virado!!! abraços,chica

    ResponderExcluir
  3. Impressionante como a sociedade valoriza tanto as coisas pífias deste mundo, ou deste século, para ser mais exata. O que antes era visto como a escória, hoje tem lugar de destaque. Da mesma forma como o que era belo e agradável, hoje e rejeitado e muitas vezes ignorado.
    Assim é o quadro predominante da cultura musical de nosso país.
    É aí que entra a cultura do Créu. A Cultura do Créu já teve diversos nomes, segundo cada fenômeno do gênero no país. Já foi a Cultura do Tchan, da boquinha da garrafa, das popozudas, cachorras e afins, das “atoladinhas”, das piriguetes e tantas outras coisas, que recorrem a elementos sexuais e pejorativos para adquirirem força e vigor.
    Tais fenômenos com seus elementos possuem o aval da maioria das pessoas, o que não é restrito apenas uma classe social. Seja rico, pobre, a Cultura do Créu está presente nas festas familiares, nos aniversários, nos almoço etc.
    A música já teve seus dias de glória.
    Abraços André e ótima Quinta.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho o funk o pior dos gêneros musicais pois é uma apologia á vulgarização, alienação, glorificação do crime e incentivo a trepação sem o mínimo de senso e decência...quem gosta disso é ralé MESMO.
    Os cantores de funk que estão certos, em ganhar seus dinheiros com isso e proteger os seus filhos pois o ganha pão deles é a atitude dos imbecis que enchem essas "casas de show".

    http://www.empadinhafrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Horrível tudo isso!!! O Funk brasileiro DETURPOU completamente o verdadeiro funk, que é aquele dos EUA criado pelo saudoso e excelente JAMES BROWN.

    Aqui, de fato, virou-se uma maneira de erotizar e até vulgarizar as mulheres enquanto fazem apologias à uma penca de coisas, como drogas, crime e prostituição. Desculpe o termo, André, mas é UMA MERDA SEM TAMANHO!!!

    Pra mim, esse tipo de funk, erótico, vulgar e quase criminoso, deveria ser abolido em todo o lugar. Não é por viver na favela ou no morro, que esses caras tem que falar dessa maneira, como se a favela e os morros só existissem pessoas vulgares e criminosas... ainda tem pessoas de bem e DECENTES lá!

    Em meados dos anos 90, tínhamos o funk do Silva, que falava da realidade das favelas mas com uma letra muito mais respeitosa e bonita. Em 2000, essa pureza praticamente ACABOU dando lugar à esses cretinos que gritam num microfone, que rodam os discos e das retardadas que dançam até o chão.

    Na boa, André... mas o funk atual devia acabar!!!

    Grande abraço!

    www.vemaquinomeublog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Tudo hj em dia é mto normal. Os valores e os princípios perdem lugar para a modernidade.

    Confesso que me assusto em ver como o mundo vai =/

    Adorei seu post, meu amigo.

    Um abração =)

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Quanta filosofagem nos comments, coisa chata.
    Não estamos aqui para julgar ninguém, acho.

    Compreensão é o que eu peço aos blogueiros, no mínimo.

    ResponderExcluir
  8. Funk é uma cultura, ora!
    Este Mc Smith tinha razão quando falou "nóis da criminalidade falamos das nossas coisa". É um reflexo apenas.

    Eu tbm detesto, mas talvez seu foco tenha sido as crianças que nascerão no meio dessa realidade.
    É realmente triste, mas há muitos fatores a serem analisados ainda!

    ResponderExcluir
  9. Eu não suporto funk, é uma baixaria total!!!O funk faz essas "menininhas" ficarem rebolando, usando mini-saia, vestido curto e ficar fazendo movimentos sensuais, depois viram puta e não sabem porque...
    Não que o funk seja o único estilo que faz isso, mas acho que os pais devem tomar muito cuidado com isso, essas meninas que ficam indo em lugares de funk, na volta pra casa provavelmente vão trazer um brinde: um barrigão e um netinho p/ papai.
    Hoje em dia as danças e estilos musicais apelam muito para a vulgaridade, na verdade não chega nem a ser sensual, é vulgar mesmo, pois acho que é possível ser sensual sem apelar para a vulgaridade, o que NÃO acontece no funk, que é só baixaria total.
    É como se a mulher fosse apenas um objeto sexual, e pior, que tem mulher que gosta...
    As jovens de hoje estão deixando a infância mais cedo, tem menininhas de 10, 11 anos que já ficam rebolando por ae, e tem pai que não liga, que acha isso normal.O mundo está perdido...

    ResponderExcluir
  10. Confesso q por causa do programa, q assisto td semana, passei a ver de forma diferente certos tipos de pessoa
    Compreendo q os funqueiros tem q se sustentar, como um deles disse no programa, mas continuo detestando esse estilo
    Dizem q os roqueiros são doidos, q gostam de cemiterio e de morte, q shows de rock só tem maluco...
    Mas os bailes funk são piores!
    É uma coisa constrangedora, ver garotas novas simulando movimentos sexuais e mulheres adultas delirarem enquanto letras q as ofendem são cantadas
    E dizem q funk é cultura
    Nunca gostei e nunca vou gostar!
    É o tipo de coisa q além de ruim estraga a imagem do país
    Abç André

    ResponderExcluir
  11. Oi Dedé, tudo bem?
    Pois é meu amigo, esse funk aí não tem nada haver com as raizes do funk, o dos EUA, da raça negra, regada a geração flower power! Além de gênero musical distorcido, tudo o mais é distorcido. Oh! Ser humano! E só fico pensando na imagem que nosso país fica aí a fora...
    Abração.

    Humoremconto
    http://anaceciliaromeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Essa é a crise da cultura brasileira que vem definhando desde o início dos anos 90. Não só essa praga do funk que tomou proporções gigantescas, mas a mentalidade da juventude de abraçar todo esse lixo que a mídia arrota diariamente. Por isso é que sempre digo, o Brasil sempre irá de mal a pior, pq sempre as próximas gerações de jovens crescem e perpetuam uma mentalidade medíocre e baixa. Não há um combate a toda essa subcultura por parte dos jovens ou da própria mídia.

    TRÁGICO, TRÁGICO.

    Gosto desse programa, A LIGA, tem reportagens muito legais e autênticas. Uma bola dentro da Band.

    Abração pra ti André.

    ResponderExcluir
  13. Olá André,
    Não conheço esse programa A Liga.
    Quanto ao funk, isso não é música. Isso é lixo!
    É apologia a todo o tipo de podridão que há no mundo.
    O funk de verdade, aquele funk negro dos anos 60, 70, aquilo sim era música de verdade.
    Essa porcaria de funk que rola hoje em dia, eu desprezo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Oi, estou seguindo seu blog, aguardo vc no meu www.donaanamagos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. É um absurdo mesmo. E depois os próprios pais vão achar ruim. =T

    ResponderExcluir
  16. O pior é pessoas que tem estudo acharem isso normal, pois faz parte de sua cultura. O Brasil a cada dia se afunda mais em seus valores...

    ResponderExcluir
  17. acabei de comentar em outro blog
    um pouco sobre isso
    ninguém faz passeata pela educação, saúde, segurança... q está um lixo
    agora pra poder fumar maconha aí sim né
    <>
    mto bom o blog champz
    continua nessa linha
    q o sucesso é garantido
    um dos melhores, com certeza
    <>
    visite-nos e comente tmbm
    gostando siga e avise que retribuiremos
    se seguir deixe o aviso no comentário
    deixando o seu link para retribuirmos
    <>
    grato
    <>
    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Eu gosto de Funk. É cultura sim, pois cultura não tem que ser julgada, não é boa nem má, é CULTURA.
    Quanto a esses bailes - onde as drogas, a prostituição, a falta de respeito a si próprio disseminam comportamentos que diferem do que queremos para nossos filhos - realmente precisam que os pais se posicionem e a própria Sociedade /governo não aceitem e coibam mesmo, as letra de música que reafirmam comportamentos que ferem a Lei. Trazer esse tema a baila, foi bem interessante.
    *Não sei o que está havendo, não consigo postar com meu nome, só entra como anônima. Vamos ver se agora consigo.
    Maria Emília

    ResponderExcluir
  19. Vi esse programa e acho realmente triste que tantos pais achem normal seus filhos frequentarem esse bailes.
    Música sim, é cultura, como disse a Maria Emília.
    Mas estes bailes não passam de baixaria legalizada.
    Acho que o mais triste do programa foi ouvir as pessoas dizerem "Eu não me importo com a letra, só com a batida da música!".
    Então tudo bem para elas serem chamadas de vagabundas?
    Como diria o genial Renato Russo: Que país é esse?
    Vida sem reflexão não é vida.
    Até mais.

    ResponderExcluir
  20. Isso é complicado, não é meu irmão, de certa forma a sociedade intelectualizada separa, a muito tempo, o que eles consideram joio do trigo, sempre dando um jeitinho de pisar sobre esse joio, e bastante, para que ele jamais se prolifere. O que ocorre é que o que eles chamavam de joio no início eram somente pessoas mais simples com um gosto cultural diferenciado e que, com o eterno descuido dos governantes, acabou aliciado por uma galera que trás as sonhadas mudanças da sua forma, aquelas mesmas mudanças que leh foram prometidas tantas e tantas vezes.

    Comentei esses dias atrás com um cunhado que no dia em que os valores se inverterem, ou seja, for considerado bom o que for mal, ou você se adapta ou você será literalmente fritado numa cadeira elétrica, pois não pensem os bonzinhos de hoje que aqueles que comandarem o nosso futuro terão o mesmo coração e sensibilidade que nos temos, haja vista a regra que eles seguem atualmente.

    Tem como inverter essa situação? A cada dia que passa desacredito mais e tenho pena dos meus filhos, por essa herança que estão recebendo...

    Abraços meu amigo!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!