quarta-feira, 15 de junho de 2011

Herois, vida real e fantasias

Sabe aqueles ídolos que a gente tem e que nem sabe porque? Tipo aquele cara ruim que joga no seu time mas você acha que ele honra a camisa e mesmo que só você ache isso você não está nem aí, ou aquela banda que não tem musica nenhuma que toque no rádio mas que você gosta dela pra caramba e ela tocando só no seu rádio já está bom demais, ou aquele ator que sempre faz papéis pequenos mas você acha ele o máximo, ou apenas alguém que você adimira e acha legal e nem sabe ao certo porque? Então eu tenho vários e várias heróis ou heroinas que eu gosto muito e nem sei porque... Mas hoje vou falar de um cara que eu gostava muitissimo na minha infância e achava que não tinha um cara mais legal que ele até o dia em que uma tragédia aconteceu... O nome do sujeito é Marilam Sales, mas isso não importa, o que importa é que ele era (pra mim lógicamente), o melhor palhaço do mundo! Ele era o palhaço Tic-tac que toda tarde trazia muita alegria pra mim no programa Bambalalão da tv Cultura, eu não perdia um programa e achava as brincadeiras e palhaçadas do Tic-tac as melhores do mundo, juro que durante uma parte da minha infância eu pensava sériamente em ser palhaço, acho que por isso que sou meio bobo e vivo fazendo gracinhas para as pessoas rirem mesmo que seja zuando a mim mesmo... Aqui mesmo já falei da minha caréca, da minha barriguinha sexy e de várias coisas que muita gente tenta esconder mas que pra mim é um motivo pra rir e só... Mas um dia eu fui no estúdio com a minha escola assistir o programa ao vivo e infelizmente na hora do intervalo a criançada invadiu o palco pra brincar e conversar com os atores e apresentadores do programa e então quando eu ia chegar perto pra falar com o Tic-tac ele deu um puta de um esporro num menino que mexeu na peruca dele que só faltou ele bater no menino... Puxa vida! Meu heroi se desmantelou alí... O palhaço mais legal do mundo era só na frente das câmeras, atrás das câmeras ele tratava mal as crianças... Meu Deus!
A uns três ou quatro anos eu fui numa palestra e o palestrante era um cara legal pra caramba, que brincava muito com a gente dando a melhor palestra de motivação que eu já ví, na palestra ele interpretou vários personagens e brincava bastante com a gente aproveitando do seu talento para o humor para falar coisas muito sérias e importantes e que do jeito que ele falava era muito fácil da gente conseguir guardar e aprender.
Lá pelas tantas no final da palestra ele falou que a gente não o estava conhecendo mas que a muuuitos anos atrás ele era o palhaço Tic-tac, e colocou a cabeleira e se pintou na frente da gente... Puxa vida! Eu não acreditei, no final da palestra eu tive que conversar com ele e contar a minha estória de infãncia, ele me abraçou e com voz chorosa me falou que num determinado momento da vida dele ele se achava uma estrela, mas as coisas mudam, e que se ele causou algum trauma ou decepção na minha vida ele pedia mil perdões... Sabe de uma coisa? Eu senti sinceridade nas palavras dele e daquele dia em diante ele voltou a ser o melhor palhaço do mundo (na minha opinião lógicamente) e o melhor palestrante que já ví... Marilam Sales, o Tic-tac!

19 comentários:

  1. Fantástico, eu tenho admiração por pessoas que fogem da hunanimidade
    ;)
    Passa lá tbm...
    http://www.estigmaangel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Sabe o que eu acho, André? Quando crianças, nós "criamos" os nossos SUPER-HERÓIS, os nossos MOCINHOS INVENCÍVEIS e aquele ser humano PERFEITO é moldado em nossa imaginação fazendo com que a gente cresca muitas vezes querendo e desejando ser IGUAL a ele. Criança acredita que possa existir sim um SER HUMANO PERFEITO! Só que não é bem assim e a gente quando cresce, ficamos sabendo disso. O "Tic Tac" é humano... assim como o primeiro Bozo (que era viciado em cocaína) e tantos outros animadores infantis e heróis infantis que, lamentavelmente, um dia, deixaram a "máscara" cair. Isso acontece! Eles também deviam ter problemas em casa, contas para se pagar, dívidas para se cobrir, filhos doentes, casamento em crise... são HUMANOS e evidentemente, a alegria muitas vezes passada na TV, na Rádio ou num Circo, era uma imagem que eles precisavam manter para continuarem empregados e com o seus salários, sustentarem suas famílias.

    Entendo perfeitamente isso, mas o grande problema é que aos olhos de uma criança, isso nunca será tão "compreendido". Que fique claro aqui que todos podem ter direito a estarem de mau-humor ou se zangarem com algo, mas acho que brigar com uma criança ou dar um esporro cruel em alguém que acredita tanto que você seja um palhaço que transmite alegria, foi sim um erro do Tic Tac... mas um erro que, ainda bem, ele mesmo se redimiu!

    Eu gosto do Pato Donald. Sei que ele não existe na realidade e que sempre foi um pato enfezado e muito enraivecido... mas pra mim, sempre foi uma figura fascinante e que preservo como um pequeno herói! =P

    ResponderExcluir
  3. Entendi seu post,mas o palhaço não é só um ser que faz palhaçada, o palhaço é na realidade o comentarista da sociedade e das pessoas. É muito mais psicológico e complexo ser um palhaço do que ser um médico.
    Palhaço não é idiota!

    No caso dele, não era um palhaço, um palhaço de verdade jamais seria o eu ator portando o nariz em seu rosto!

    ResponderExcluir
  4. Adorei a história, André, digna de ser filmada! Tão maravilhosa que parece ficção! Adorei ainda mais o fato de você ter reencontrado o seu ídolo e de ele ter tido uma segunda chance no seu coração. Final feliz para nossas esperanças. Afinal, um sonho também pode dar tropecinho, mas o importante é que levantou, sacudiu a peruca e o nariz vermelho e deu a volta por cima! :-) Beijos! Felicidades!

    ResponderExcluir
  5. Puxa, que linda história essa. Eu já estava com raiva dele até que veio o final, com a palestra e o reconhecimento e mais: a humildade de pedir desculpas. Lindo gesto desse teu herói! Legal te ler! abração,chica

    ResponderExcluir
  6. Cara, acho que a gente tá ficando velho e meio meninão, é a idade pesando. Lógico que conheço a Turma do Bambalalão, inesquecível. A Cissa comentou o meu post que é semlhante ao seu e é bem interessante como a cada geração a infância é mais pobre do que a subsequente.

    Gosto desses posts que nos rementem a um passado gostoso. E não sei se o teu ou o meu é mais saudosista, tamo ficando velhão meu irmão!!!kkk

    Abração pra tu.

    ResponderExcluir
  7. André \o/
    Ah então eu concordo com sua opinião com relação á filha do professor...mas o problema é que o cachorro ficava o dia inteiro e a noite na estação...não teria como a menina ficar lá tendo um bebê pequeno e morando longe. Acho que mais errado ali foi a esposa do cara que sumiu e foi pra outra cidade. O cão sofria com a perda tanto quanto ela e o certo seria a esposa ter levado o animal. Talvez assim, morando em outra cidade, Hachi não ficaria ali todos os anos e teria uma pessoa que poderia lhe dar a atenção e o carinho que ele estivesse precisando. Tanto é que quando a esposa reencontra o cão, ela chora porque não ficou com o animal, que tinha muito mais consideração pelo marido do que ela própria.
    Agora você falou uma verdade...vemos por aí muitos animais abandonados, alguns até de raça, largados pra morrer pelo simples fato de os donos não os quiserem mais. Isso é um crime e me pergunto como alguém tem coragem de maltratar uma criatura tão benigna.
    Pode desabafar sempre André, eu faço isso ás vezes também em alguns blogs rs.

    Fenomenal esse acontecimento ocorrido com você, André! Como o mundo dá voltas e como o tempo faz as pessoas pensarem não é mesmo?
    Ah eu tinha ídolos na infãncia, tipo o Beakman do mundo de Beakcmann na cultura...hoje sou fã de atores que ainda não são estrelas incontestáveis e admiro muit o trabalho de uma cosplayer profissional lá da China e fiquei super feliz só de ela ter respondido meu comentário no twitter rs...

    bjs

    http://www.empadinhafrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Eu adorava o Bambalalão até hoje lembro da Gigi e da Silvana ... adorei essa história , quem dera outros " famosos " caíssem em sí e demonstrassem algum tipo de humildade .

    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Que história super interessante, meu amigo.
    Adorei mesmo...ainda mais por depois vc tê-lo encontrado e relatado a sua experiência.

    As vezes criamos grandes ídolos para admirar...uns merecem este título, já outros não mesmo.

    Forte abraço!!!

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Anônimo16.6.11

    André,
    Estava afastado do mundo dos blogs mas fiquei muito feliz em retornar, principalmente ao chegar aqui e ler uma matéria tão bela e rica como essa. Devo dizer que fiquei muito emocionado!

    Tive vários "icones" desconhecidos em minha infância, e essa matéria me fez recordar essa época! Parabéns!

    http://www.shitnessbook.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Dedé, que curioso!
    Eu, tu e o Paulo Cheng pensamos nas crianças, heim? Cada um com seu enfoque, mas legal!
    Não fazia nem ideia da existência dessa palhaço, mas fiquei feliz com o desfecho. Assim, também não criou nenhum trauma, naquela visão de criança, se reparando tudo no futuro. Legal! E que lição de vida!
    Grande abraço!

    Humoremconto
    http://anaceciliaromeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. puxa tio andré! que legal isso!
    e como sempre, o mundo sempre dando voltas né??
    anda bem que ele mudou!

    bjoo tio!

    ResponderExcluir
  13. Acho q td mundo tem seus herois na infancia
    Agora q parei para pensar acho q desde de q eu me lembro os meus herois sempre foram os meus pais
    Mas foi legal esse seu resgate do heroi da infancia. Muito bom!
    Abç André ;D

    ResponderExcluir
  14. O respeito é um sentimento que nem todos conseguem manter sempre. Pena... tantos traumas poderiam ser evitados...Nesse seu relato, veja quantos anos você levou acreditando ser ele um cara horroroso? E se você não tivesse tido a coragem de enfrentar a "fera"? Ele teria perdido uma nova oportunidade de influir positivamente em você. Quem lida com público ou depende dele para trabalhar, tem que ter muito cuidado e procurar um apoio psicológico, para aguentar o "tranco" que é a fama.

    ResponderExcluir
  15. André,eu amava a turma do Bambalalão,assistia todo dia,e sonhava em ir ao programa!Adorava o teatrinho ,ficava ansiosa esperando o quadro.O Bam-Bam não foi legal na postura que teve com a criança.Parto do principio que se vc está trajado com o "uniforme",está ali profissionalmente e o cliente tem sempre razão.Enfim,mas ele se tocou disso anos depois,e que legal saber que de uma forma ou de outra ele continua atuando,sinal de que o que aconteceu no passado deve ter sido um caso isolado.
    Gosto mesmo desse universo infantil até hoje,tanto que de manhã,costumo assistir uns trechos do Patati-Patatá,heheheh =D

    ResponderExcluir
  16. caro andré,
    todos nós crescemos com as histórias, as músicas e os heróis da porta do lado. não escondo que uma boa parte daqueles que povoavam o meu imaginário eram consensuais, mas tenho de admitir que elegi, também, alguns anti-heróis, o que chegou, em alguns momentos, a fazer de mim o "puto bizarro" que gosta da figura secundária. dantes sofria com isso. hoje sorrio. há coisas que nos definem, verdade?
    um abraço!

    ResponderExcluir
  17. Curti muito o Bambalalão...tinha lá meus heróis,hoje em dia se o capitão Nascimento viesse me salvar....aff!!!rsrs
    Andre,um lindo fds pra vc e tua linda esposa,e tua linda Fridona.
    Bj e um pão de queijo pros tres.

    ResponderExcluir
  18. André, Super-heróis, seres imaginários de capa e espada ou simplesmente com algum poder extraordinário fazem parte da vida das crianças durante a infância.
    Fico feliz por vc meu amigo.

    Abraços e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  19. Luciana27.2.13

    André, eu amava o Bambalalão. Eu sou da época do palhaço Tic Tac. Amava a Gigi e o Professor Parapopó, os bonecos Macaco Chiquinho , o sapo Agapito e o Bambaleão.
    Eu fui ao programa diversas vezes, e cheguei a presenciar ataques de estrelismo do Tic Tac, inclusive, ele brigando com as crianças mais afoitas. Mas, a minha maior decepção com ele, era a mudança de humor, quando câmara estava desligada. Porém, os outros apresentadores eram maravilhosos, uns queridos.
    Fiz uma viagem à Disney em 1985, e o Marilam Sales estava tb nessa viagem. Eu adorei conhecê-lo, na época eu estava com 15 anos, e acabei contando que era fã do programa. Ele é uma pessoa muito especial, convivi 20 dias com ele. Realmente à época desses fatos, o sucesso subiu na cabeça, mas todos somos humanos. Espero que a criança que existe dentro de vc, esteja curada. Lá em Orlando, ele curou a minha. Abs

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!