terça-feira, 5 de abril de 2011

Anjos

Zezé era menino
Menino que não sabia .
Menino que não conhecia .
Zezé era um menino que não sabia de onde veio.
Não conhecia seu pai... Era filho de pai sem mãe...
Não conhecia sua mãe... Era filho de mãe sem pai ...
Zezé foi criado por uma irmã mais velha. Um ano mais velha. Marcia era o nome dela.
Comiam os restos das latas de lixo, dormiam debaixo da ponte, se cobriam com jornal, cheiravam cola e fumavam bitucas de cigarro.
Um dia acharam o corpo de Marcia num matagal, comida pelos vermes e pelos humanos... A policia achou normal, afinal, era só uma menina de rua mesmo...
Zezé prosseguiu sozinho. Já tinha quatorze anos e uma mulher! Carol.
Carol, que já tinha treze anos. A oito meses grávida...
_ Que legal! Eu vou ser pai...
E foi !
Comiam os três restos de lixo, comida roubada ou ganhada, o mercadão jogava muitas verduras fóra...
Carol, desnutrida, não tinha muito leite... E quem tinha não dava. Afinal um centavo valia muito falou o presidente!
Um dia a polícia entrou no cafofo. Cafofo era a casa de Zezé, e de Jão, Zé, Cráudia, Alê, Xixa, Carol e mais um monte de moleque de rua.
Cheirador de cola !!!!
_ E esse nenem ? _ falou o policial _ Vamos levar pro juizado!
_ Meu filho não! _ falou Carol.
_ Vai ele e você!
Carol se atracou com o policial que queria tirar o nenem do seu colo, e os outros moleques entraram na briga, foi uma confusão. De repente um dos policiais puxa a arma e atira!
Legítima defesa ele afirmaria no processo.
Zezé que já tinha visto muita coisa nessa vida, viu sua mulher e seu filhinho cairem no chão...
O tiro atravessou os dois.
Zezé matou um dos policiais a pauladas!
Mais polícia chegou, a televisão chegou, as pessoas chegaram... Mais policia chegou, mais televisão chegou... Os moleques foram presos!
Hoje Zezé está preso... Deflorado, surrado, usado, pisado...
Ele sonha com o dia em que vai sair da cadeia para menores infratores...
Legal né?
Ele sonha...
Afinal ele é criança, que sonha antes de dormir... Afinal ele é criança e sonha com fantasias de criança... Criança de quinze anos...
Que sonha acordado!
E sonha com dias melhores... E sonha com os Anjos!


Repostagem desse escrito que tem mais de 15 anos, mas que infelizmente ainda é tão atual, quando escrevi não pensava que iria durar tanto...

29 comentários:

  1. Fala André,
    Meu camarada, que história é essa hein....
    Olha, há casos e casos, evidentemente.
    Entramos aí num movimento onde a sociedade e o estado deveriam cumprir o seu papel e não o fazem. Há várias questões em tudo que você escreveu. Qualquer julgamento agora é prematuro porque não passamos por isso.
    Qualquer violência contra criança é repugnante e precisa de punição ao infrator ou infratores. A discussão maior entra na questão da idade...até quando? 12, 13, 14, 15, 16, 17......
    Texto muito sério.
    Grande abraço e ótimo dia pra você e família.

    ResponderExcluir
  2. Menino...agora você pegou pesado.Estou arriada. Tema dolorido demais, apesar de verdadeiro. Trabalhei durante trinta e três anos direto "no campo" - com crianças e adolescentes em "situação social irregular", há dois anos estou trabalhando com Projetos para atendê-los. Todo mundo fala mal do "bolsa família" e outros programas assistenciais, mas você sabe que o "bolsa" tem tirado muitas crianças da rua? Tem feito as famílias mais responsáveis com seus filhos? Não importa se é por causa do dinheiro, o que importa é que muita criança está tendo a oportunidade de viver uma vida normal - indo a escola,partcipando dos centros esportivos e culturais. As famílias estão se estruturando dentro do possível. Vamos esperar os desdobramentos do "bolsa".
    Eu não disse? Você é um menino extremamente sensível, pois só uma alma bonita e uma cabeça de Poeta/Escritor teria a sensibilidade de relatar um "cancro" da nossa Sociedade, como esse, de modo respeitoso e poético.
    Aplaudo de pé essa cabeça e essas mãos.
    Parabéns, André.

    ResponderExcluir
  3. Puxa, foste fundo!!! Impressionante isso e tão real ainda hoje. Credo! Pena!

    Texto lindo se fosse apenas ficção,não? abraços,chica

    ResponderExcluir
  4. Poxa André, que históriaa viu, prbens mesmo, muito bom, esse foi um dos melhores viu, vc é realmente um escritor invejável!

    abrç parceiro!!
    http://essenciaego.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. As pessoas costumam olhar para a população de rua com desdém, senão com desprezo, sem conhecer ou fazer a menor questão de conhecer, todos os fatores que levam pessoas a este estado deplorável de vida.

    Eu lamento muito que seres humanos sejam jogados nestas condições pelo Estado brasileiro, que depois ainda envia o seu braço armado para maltratá-los como se fossem bichos. Gente como este Zezé existem aos montes nas grandes cidades brasileiras, mas seus compatriotas mais bem afortunados fingem que eles não existem.

    É uma pena.

    ResponderExcluir
  6. É tão triste esta realidade, mas dela n pdoemos fugir. O pior é pensar que daqui há mais uns anos o seu texto continuará sendo atual.

    Peço que Deus tenha misericordia desse mundão de todos nós.

    Adorei o post, meu amigo.

    Um forte abraço e te espero lá no blog.

    Tá rolando sorteio, vê se n fica de fora ;)

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. E ainda querem legalizar a pena de morte neste desgraçado país e com esta desgraçada justiça que nos "protege".

    ResponderExcluir
  8. Conseguiu me deixar sem palavras, meu caro.
    Muito bom o texto.
    Serve para nós aprendermos a olhar por outros ângulos.
    Um abraço e quando quiser, vê se aparece no meu blog para nos homenagear com suas sábias palavras.
    Acho que vai gostar do post de meia noite. lol

    ResponderExcluir
  9. Me lembrei do livro Podridão da Adelaide Carraro...

    Me lembrei do filme "Sequestro do ônibus 174"...

    E de uma crônica que li recentemente em uma prova que fiz, sobre uma criança que morava na rua...

    Infelizmente uma realidade, longe de ser mudada...

    ResponderExcluir
  10. Atual, verdadeiro...e claro extremamente bem escrito.
    André, parabéns pela ótima postagem.

    http://cinemaparceirodaeducacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Super irônico e realista ao mesmo tempo. Me lembrou Legião Urbana. A realidade é algo que nos perturba. Pode ser totalmente atrativa, mas muito triste. Um belo trabalho André.

    ResponderExcluir
  12. post massa, parabens pelo blog .
    da uma olhadinha no meu .
    http://newtechnicspc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. MUITO TRISTE ESSA REALIDADE Q VIVEMOS
    DO ALTO DA NOSSA VIDA Q PARECE TAO DISTANTE DE PESSOAS Q REALMENTE PASSAM POR COISAS ASSIM NAO DÁ PRA ENTENDER DIREITO ESSE TIPO DE SOFRIMENTO
    MAS SÓ A IDEIA JA É ASSUSTADORA
    ABÇ ANDRÉ

    ResponderExcluir
  14. André, prazer em conhece-lo!
    estou amando seu blog e vou add em meu blog coordenadores do recife, pois o conteúdo vai encantar os professores que me seguem...
    to passando aqui e aproveitando pra fazer propaganda de meu novo blog... convido vc e os demais pra passar lá, deixar o comentário e me seguir tbm... bjs
    http://meusensaiosecontos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Oi, André, como vai? Perdoe-me por passar tanto tempo sem comentar por aqui, mas a universidade realmente não em deixa com tempo para quase mais nada. Eu lembro de já ter lido este texto aqui no blog, mas mesmo quando li não sabia que tinha sido feito há 15 anos! Nossa, após 15 anos o mesmo texto permanece tão atual como se tivesse sido escrito hoje! É tão triste pensar que as crianças estão perdendo a inocência tão cedo, cada vez mais cedo, é ainda mais triste pensar que isso acontece porque elas têm que crescer, têm que ser adultas antes mesmo de nem serem crianças direito. Parabéns mesmo pelo texto, você tem uma sensibilidade tão grande, André! Abraço ;)

    ResponderExcluir
  16. Triste. Pesado. Real. Constante...

    Quantos são os imcompreendidos que estão espalhados pelo mundo? Quantos Zezés? Quantos são mortos antes mesmo de terem encontrado tempo e meios de viver plena e dignamente? Quantos questionamentos, não é?!

    Muito bom conte, André!

    ResponderExcluir
  17. Meus Parabens ! Sua Historia Me fez arrepiar !
    Muito Interessante seu blog Gosteii!
    Continue me visitando tem um post quentinho la !
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Meu sonho é ser um pesadelo na vida de quem maltrata os Zezés deste país.

    ResponderExcluir
  19. Já add vc no meu outro blog:

    http://coordenadoresdorecife.blogspot.com/

    pois o conteúdo tem tudo haver... bjs

    ResponderExcluir
  20. Vc escreveu a 15 anos atras?! O mundo nao muda mesmo ne?! .. Parece com a realidade de hoje!!!

    ResponderExcluir
  21. Dedé, tudo bem?
    Que belo poema o seu, infelizmente é tão verdadeiro! Existem muitos Zezés nesse mundo aí a fora, no Brasil e todo terceiro mundo, principalmente, tema que vais ser atual por bom tempo.
    Abração meu amigo.

    http://anaceciliaromeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. nossa novamente aqui... cara, seus textos são muitos bons e vc escreve de um jeito que materializa, torna concreto o personagens nas nossas mentes...parabens...

    http://www.netalternativa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Muito bom...André, vc é o cara!!!

    http://cinemaparceirodaeducacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Esse é um tema batido mas que rende muito!
    A realidade é triste e atinge todas as camadas sociais de várias formas!
    Fechar os olhos para a realidade é nosso maior erro!
    Bom texto!

    ResponderExcluir
  25. Triste realidade de nossas cidades, onde o Estado luta para combater a pobreza, dar melhores condições de vida e, antagonicamente, é protagonista de violências gratuitas como esta, pode ser uma histótia hipotética, mas que é vivenciada diariamente nas ruas.

    Ótima história Dedé, muito profunda e reflexiva, parabéns. Abração. Atualizei.

    ResponderExcluir
  26. Fala André, ta sumido, não te vi mais la pelo blog...

    Que história hein... Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  27. Andre, esse texto é muito lindo meu amigo!
    Como sempre você me surpreendendo!
    Abraços e Ótima semana!

    ResponderExcluir
  28. Teve um dia que eu estava no trem e vi um grupo de meninos e meninas. Todos sujos, fedidos. Eram de rua. Não tinham pudor algum, e se agarravam lá, na frente de qualquer um.
    Falavam palavrões. Eram escandalosos. Até que chegaram para mim e para meu namorado e disseram:
    "tem dinheiro?"
    Meu coração foi na boca, mas, não demonstrei medo.
    "não, só de passagem".
    E um deles ficaram olhando para meu cordão.

    Foi uma situação realmente muito chata ter que passar por isso. Espero que tenhamos uma solução eficaz. Se há 15 anos esse texto foi escrito, espero que não tenhamos que o ler novamente daqui há 15 anos.

    Abração!

    ResponderExcluir
  29. Um dia a gente acorda de um pesadelo, balança forte a cabeça e suspira aliviado, tudo está bem, foi só um sonho ruim!

    Agora imagine acordar todos os dias dentro desse pesadelo, sem chance de acordar, já que não é um sonho, é vida real!

    Pois é amigo, essa sua história que se repete todos os dias é o terrível pesadelo de muita gente, que vive a margem da nossa "magnífica" sociedade!

    Abraços renovados e parabéns pela sensibilidade!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!