sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Seu Lourenço


Em dez minutos, eu conheci seu Lourenço.
Do nada, após um sorriso simpático, o velhinho de oitenta e cinco anos, me disse que foi criado na roça, sem pai, e quase sem mãe. Aos seis anos já trabalhava “panhando” algodão. Aos dez, já fumava, e fumou até os vinte e cinco anos! Mas um dia ele se levantou da cama e disse pra sí mesmo: “À partir de hoje não fumo mais!”
Não fumou mesmo, e também, nunca mais tomou café. Olha só! Ele disse que só o cheiro do café, até hoje, lhe traz à mente, o “saborzinho” do cigarro.
Seu Lourenço se mudou pra Barretos e começou a trabalhar como pintor de casas. Pintou mais de quarenta casas pela cidade, até que um dia, quando foi comprar pinceis em uma loja, conheceu o gerente de uma fábrica de tintas, chamada “Tintas Universo”. Seu Lourenço conversou muito com esse cidadão, e até saiu para almoçarem juntos.
Um belo dia, o velhinho viu na Folha de São Paulo, que a Tintas Universo estava procurando um representante de vendas.  Com coragem, ele, com pouquíssima escolaridade, trabalhador braçal, sem nunca ter ido a uma cidade grande, saiu de Barretos e foi parar na porta da fábrica de tintas.
Depois de uma tarde inteira de conversas, ele acabou sendo contratado não como vendedor, mas sim, para abrir mercados, demonstrando o produto Brasil afora. E olha que isso foi ideia dele, pois a fábrica não tinha esse cargo de demonstrador.
Seu Lourenço conhece todos os estados do Brasil, conhece tanta cidade que nem sabe a quantidade. Trabalhou vinte anos na Tintas Universo, mas um dia essa fábrica foi vendida para a Luksnova.
Ele trabalhou na Luksnova, e na Tintas Ypiranga por mais de dez anos. Como complemento, vendeu massa plástica Iberê. Chegou a vender em um mês mais de vinte mil latas de massa plástica!
Um dia, comprou um Fusca, e em uma de suas viagens, alguns bandidos tentaram roubar seu carro, parando-o na rodovia. Os caras estavam agressivos e colocaram um revólver em sua cabeça. O velhinho virou-se calmamente para um dos assaltantes e disse: “Pode levar meu carro! Eu comprei ele, sem precisar dele pra compra-lo. E tem mais, eu nasci antes dele, porque eu sou de 1930 e o primeiro carro que chegou ao Brasil foi em 32... Então eu não preciso dele pra nada.”
Os assaltantes foram embora sem roubar o Fusca, mas na primeira cidade que seu Lourenço chegou, logo deu um jeito de vender o carro e nunca mais dirigiu!
Seu Lourenço fez a vida! Voltou pra Barretos, e hoje mora em uma casa muito boa, num bairro chique da cidade. Suas duas filhas moram com ele. Cada uma delas é formada em mais de uma faculdade, e graças a Deus, - ele tirou o chapéu quando disse graças a Deus – hoje ele até parece um velhinho, negro, humilde e com cara de pobre, mas a história de vida que tem, é pra poucos!
Em dez minutos conheci seu Lourenço! Tem gente que acha que perde dez minutos do dia, conversando com gente assim. Eu ganhei! Ganhei a oportunidade de conhecer alguém tão legal!
Ah... Seu Lourenço antes de ir embora olhou bem dentro dos meus olhos, apertou a minha mão, e sorrindo me deu dois conselhos: “Menino, não compre nada que não precisar, não compre porque é bonito, ou porque está na moda, só compre quando tiver dinheiro pra comprar. Se não tiver dinheiro, não compre. – com o sorriso ainda estampado no rosto, tornou a olhar nos meus olhos e disse o segundo. - Quando ficar velho, e estiver perto de parar de trabalhar, seja viciado em palavras cruzadas! Elas não deixam o nosso cérebro enferrujar.”
Dizendo isso, virou-se e foi embora. Talvez nunca mais eu tenha o prazer de ver seu Lourenço, mas com certeza, ele sempre vai estar presente, algum dia, em algum pensamento, em alguma atitude minha, de hoje em diante.








17 comentários:

  1. Felizmente há pessoas assim. Com alguns minutos de conversa, deixam uma impressão para toda a vida.
    André, ainda não recebeu o livro?
    Já mandei há 12 dias. Não sei se leva muito tempo a chegar, mas penso que já teria de tempo disso. Por favor me diga alguma coisa.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Sábios os conselhos de Seu Lourenço! Sigamos-los.

    ResponderExcluir
  3. Amigo André, amei ler aqui seu belo conto bem escrito, conseguiste passar a emoção da alma da comunicação do Seu Lourenço e da sua!
    Tens uma sensibilidade ímpar!
    Sabe que em toda a minha vida aprendi com pessoas à quem dei a atenção e isso faz bem a elas e mais ainda a nós, pois trocar experiências é tudo de bom!
    Linda e história de vida desse seu amigo "relâmpago" que sei deixou marcado em você para sempre!Isso é que é saber viver, você sabe porque se dá a oportunidade, a Vida sempre sabe o que faz, sempre!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigaso Ivone! Que bom que gostou!!

      Excluir
  4. Belo exemplo.
    A historia boa é como a semente que se cai em terra fértil germina e prolifera.

    ResponderExcluir
  5. Oi André, amei sua crônica. Aliás você é especialista em crônicas.
    Eu adoro crônica, fiz uma hoje, mas perto da sua não é nada.
    Estou dodói
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahaha, quê isso menina!

      Excluir
  6. SENSACIONAL!!! Desculpe minha ousadia emdizer que também adoro conversar com esses velhinhos e velhinhas, sempre nos passam essas lições de vida, coisas para se repensar a vida, essa vida materialista e imediadista que inventamos, como ele mesmo disse, na maioria das vezes, sem necessidade. Por coincidência, minha postagem de hoje também fala de um senhorzinho que conheci na estrada. Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ousadia nenhuma meu amigo!! Seu pensamento está corretíssimo!

      Excluir
  7. OI ANDRÉ!
    PESSOAS ASSIM, PASSAM POR NOSSAS VIDAS MAS, DEIXAM MARCAS, SÃO ESPECIAIS, PELO SORRISO ABERTO? PELA SABEDORIA? TALVEZ PELOS DOIS.
    ÓTIMA CRÕNICA.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Sensacional, André!

    Leitura leve, descontraída, divertidíssima.

    E esse som aí é do puro!

    : D

    Obrigada por nos presentear com postagens assim.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Não o conhecia, boa partilha.

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  10. Caro André,

    Uma excelente experiência a sua com o seu Lourenço, um homem com idade avançada e carregado de sabedoria. Fosse ele egoísta, não teria dado os dois conselhos que lhe deu. O Brasil necessita de mais Lourenços, par entrar nos trilhos.
    Uma excelente história.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Há pessoas com quem vale a pena "perder" 10 ou 15 minutos.
    Gostei da história desse encontro, muito interessante. Para além disso, tem uma excelente narrativa, prendendo o leitor, que fica satisfeito por "perder" 10 minutos...
    Bom fim de semana, André.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!