terça-feira, 19 de março de 2013

Vozes periféricas 4


E aí irmão dotôr, tudo beleza? Qui legal c'ocê apareceu aqui na periferia di novo. Nóis qui trabalha no corre di vendê os cedê dos Paraguai pricizamo dos criente bão assim igual o dotôr!
As vêiz tem uns bacana aí qui aparece na televisão falano qui nóis é máfia, é do crime organizado, é traficanti... Mas o irmão dotôr aí sabe qui num é nada disso tá ligado? Nóis vende cedê i devedê, só isso i mais nada. Os meu irmãozim lá im casa tem que tomá leite, os barrigudim pricisa disso e cumé qui eu vô arruma esses leite honestamente si num tem trabalho? Si q'éssa cara di melianti, preto, pobre i magrelo qui eu tenho, ninguém qué mi dá um trampo decente? O baguiu é lôco irmão dotôr! Tenho qui vendê esses produto mêmo... Mió qui vendê droga, purquê droga eu num vendo! Inda mais agora qui eu tô curtino uma igreja aí, e o pastor falô uma parada macabra di í pru inferno... Tô fóra di inférno véio. Chega o inferno aqui da vida, quando eu morrê quero vê se Jesuis olha miózinho pra mim e me arruma um lugázim bem cabuloso lá no céu, tá ligado?
Mas intão irmão dotôr, essas pessoa qui critica a preriferia e nossos serviço alternativo, tem qui sabê qui si ninguém comprasse nossos produto a gente não vendia nada, né verdade? I eu tô falanno di genti honesta igual eu e também dos mano ladrão i traficante.
Olha só. O mano ladrão de carro só róba purquê tem quem compra, ou tô falano mintira? I quem compra é os irmão dotôr assim igual o sinhor... Tem também os irmão traficante, qui só trafica purque tem quem usa as droga, num é verdade? A parada é tensa irmão dotôr... Cê tá ligado qui os maior viciado é os filho di bacana qui vem buscá as droga aqui na periferia, não tá? Cadê as mãe e os pai desses muleque qui num inxerga as coisa?
Vô ti falá uma coiso pru sinhor, pra tudo qui é coisa ruim qui alguém faiz, sempre tem alguém quereno recebê du outro lado. Até as sinhorinha fofoqueira, só fofóca purque tem alguém qui iscuta... Intão irmão, a vida é assim mêmo! É lôca e si cuchilá o cachimbo cai!
E aí... Discúpa qui toda veiz qui o sinhor aparece aqui eu sempre falo umas parada maluca pra cima du sinhor, qui déve tê muito pobrema pra fica ovino minhas baboseras né verdade? I aí? Vai levá um cedezim? Ô um devedêzim?





Esse clipe é de uma banda argentina chamada Ataque 77, punk rock hermano fazendo uma versão do sucesso da Legião Urbana.


23 comentários:

  1. Oi menino
    É isso mesmo, só roubam porque tem quem compre o produto do roubo e assim vai. É um ciclo vicioso que acaba envolvendo até quem deveria punir tais atitudes, os policiais desonestos, os políticos ladrões, e a sociedade conivente.
    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A culpa é sim dos governantes, mas também é do povo que recepta esse produtos de roubo!

      Excluir
  2. Teus textos nos prendem até o fim. Com teu jeito e hoje, nesse da periferia, retratas a realidade. Pena seja assim...abração,chica

    ResponderExcluir
  3. OI André, a crônica é boa e a conotação política faz dela um alerta!

    abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi André
    Mais uma vez nos presenteia com um texto engraçado, inteligente e reflexivo.
    Bjos.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. É isso aí André. Aqui nos últimos tempos não tem conta o roubo de ourivesarias e quando assaltam as casas os ladrões já usam detetor de metais para descobrirem logo o ouro.
    Pudera em qualquer cidade as casas de compra de ouro crescem como cogumelos. Quase porta sim porta não.
    Gostei da batida. Pena que não tenha entendido nada da letra.
    E como aqui se festeja o dia do pai, um excelente dia para si meu amigo.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está infestado de gente assim né Elvirinha!

      Excluir
  6. Olá!
    Dedé , meu amigo!
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Vc sabe que eu gosto do seu estilo de texto, onde nos possibilita formas de reflexão de forma inteligente e engraçada...
    li e reli seu texto...por mais que tenha diversas formas de contextualização, vejo a partir de uma inesperada leveza, a denúncia da condição de carência de cidadania em tom de "baboseira": A periferia se cansou de esperar a oportunidade que nunca chegou, e que viria de fora, do centro.
    Meu carinho
    Bom restinho de terça
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Felisão! Seus comentários sempre edificam!

      Excluir
  7. Realmente bem bolado, porém André além desses nossos irmãos fora da lei existem aqueles que falam assim:
    Vossa excelência faltou com a verdade; excelência ninguém prova que houve desvio de recursos, está tudo provado pelo nossos advogados, nós liberamos 2.000.000.000 de reais para a transposição do rio São Francisco porém foram executados todos os 3,6% DAS obras o que falta é nos liberarmos a outra parte que falta que o congresso liberará em seguida.
    Também a nossa casa nossa vida está executando obras para tirar a pobreza das favelas e dos morros que desabam e matam no Rio de Janeiro e em Santos e liberamos mais outros tantos zilhões de reais excelência, é que a grana que é liberada se evapora pelo caminho, não sabemos porque e não chega até os menos favorecidos.
    Agora o papa novo o (Chico) disse para começar a pensar nos pobres e nós vamos começar a pensar com a ajuda da Dilma que está lá para assistir a missa.
    A Dilma agora vai tomar atitude ela disse que devemos agir com mais energia para tirar os pobres das áreas de risco, logo ela nos ajuda a liberar mais grana e nós descemos a ripa nesse povão para tirar todo mundo na marra e falamos que é pra proteger excelência, o senhor sabe que somos homens de conduta ilibada, o povo nos elegeu e ninguém pode tirar a gente daqui porque estamos numa 'demoniocracia' que nos dá este poder.
    E por aí vai.
    Como dizia o outro Chico : Eu quero é que o pobre se "EXPLOOOOOOOOODA".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahahahhaha isso mesmo Tiugo!

      Excluir

  8. Olá André,

    E ele tem razão, né?
    Enquanto houver pessoas que alimentam o mal e o ilegal dificilmente haverá como extirpá-los.

    Ótimo quarta.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Essa é a verdade, André. Se não existisse o outro lado, não haveria corrupção. Não haveria pirataria. Não haveria traficante... e por aí vai. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Eu acho que eu me sentando pra uma prosa com esse mano, o negócio ia render,viu? Resultaria numa tese.

    É tudo muito pertinente nesse texto. O problema é a imensa empresa criminal com a participação de várias esferas, aí a coisa fica complicada.

    Gostei desse mano. Mandou a real.

    Beijo, André.

    ResponderExcluir
  11. Elas vêm como uma labirintite. Depois, a gente se acostuma.

    ResponderExcluir
  12. No dia em que se festeja o dia mundial de poesia, não podia deixar de vir saudar o poeta que aqui mora.
    Feliz dia amigo.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. hehhhhhh...a velha análise sociológica perfeita da periferia!!!

    e até que os hermanos mandam bem, né?



    p.s . rapá, aquele tal de "vocês vão ficar sabendo por que" nunca acaba e eu numa curiosidade...hehhhhh

    abração

    ResponderExcluir
  14. Hehehe Dé adoro esses seus textos brasileiríssimos!!!

    ResponderExcluir
  15. Ai está a fotografia em palavras de uma triste realidade brasileira. Perfeito o diálogo, o desenvolvimento do texto e a ideia de um fato que tão bem o texto procurou passar e passou. Um grande abraço meu caro André.

    ResponderExcluir
  16. Oi Dedé,

    Tudo bem? Só existe roubo de determinado bens porque há comparadores sem ética e valores. Na questão de direitos autorais percebo também que um mercado que ignora o vídeo, o filme a música alheia. Esse é parte do nosso "Brasis".

    Bom final de semana!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!