terça-feira, 9 de abril de 2019

A salvação de Jonas







Jonas olhou a sua volta, tudo estava escuro, a lama cobria-lhe o joelho, a cada passo que tentava dar, se atolava mais e mais.
Jonas não via saída, o caminho estava difícil demais. O sol já não iluminava mais seu rosto, a floresta de galhos e espinhos era muito densa, as arvores encobriam o horizonte e Jonas não enxergava além de alguns metros à frente.
Ali, perdido dentro da vegetação, ele ouvia sussurros, risadas de escarnio e gritos. Parecia que falavam dele, mas não dava pra ter certeza, pois as vozes partiam de sombras, que ora apareciam por detrás das folhas e ora sumiam fazendo algazarra.
- Ei! - Gritou Jonas - vocês aí, me ajudem, estou perdido!
Não adiantava, a cada grito de Jonas, a cada pedido seu, as vozes se calavam e apenas olhos esbugalhados apareciam em meio ao breu. Esses olhos pareciam curiosos pra saber se Jonas iria sair da enrascada em que estava mas não pareciam querer ajudar.
Jonas, aflito, e com esforço sobre-humano, dava pequeninos passos, que vagarosamente o faziam prosseguir. Ele levantava uma perna da lama pegajosa, inclinava seu corpo pra frente e pisava mais adiante, depois repetia com a outra perna, e assim, tentava se desvencilhar desse pesadelo.
De vez em quando Jonas sentia que alguém segurava sua perna e lhe puxava pra baixo, parecia, para ele, que de vez em quando pessoas saiam das sombras e colocavam mais lama no meio do caminho.
Mas Jonas precisava vencer, Jonas precisava prosseguir, Jonas precisava respirar, Jonas precisava sair dessa situação.
Foi quando uma pessoa de aparência conhecida apareceu do outro lado do caminho.
- Olá! - falou Jonas. - Você não é a minha professora da quarta série?
A pessoa não respondeu, mas jogou um livro para Jonas, o livro se depositou no fundo da lama e Jonas pôde se apoiar nele.
De repente, mais pessoas apareceram ao lado do caminho. Todos pareciam conhecidos de Jonas, uns pareciam antigos professores, um parecia com o dono de uma livraria que ele sabia onde ficava, outro parecia o dono da banca de jornais, outro parecia seu pai! E uma mulher parecia sua mãe!
As vistas de Jonas ainda estavam embaçadas, por isso ele não tinha certeza da identidade dessas pessoas, pois no estado em que estava, ele via apenas silhuetas e imagens distorcidas. Essas pessoas em um gesto em conjunto, começaram a jogar livros e mais livros para Jonas.
Ele notou que essas pessoas, que hoje vinham lhe ajudar, eram as mesmas que no decorrer de sua vida, tentaram lhe aconselhar, mas ele não havia dado muita importância. Mesmo assim, as pessoas não desistiram dele e continuavam arremessando revistas, jornais e muitos livros.  
Jonas começou a usar esses livros como escada, subindo, subindo, saindo da lama, até que conseguiu sair do buraco em que estava e atingir terra firme!
Jonas saiu da lama, saiu da floresta de espinhos, caminhou até um lindo jardim e notou que o sol iluminou novamente o seu rosto! As cores da vida tornaram a aparecer.
Então, Jonas sorriu!

Amigos, eu tive uma conjuntivite muito forte e por isso me afastei da tela do computador. Ainda hoje estou vendo as letras um pouco embaçadas, e por isso me ausentei esses dias. Aos poucos vou visitar seus blogs.
Esse texto é uma republicação. Pra quem já conhece, pode ler novamente e relembrar, e pra quem não conhece, é uma chance de ler e pensar.
Um abraço a todos!





12 comentários:

  1. Lindo e reflexivo,André... Jonas pode sorrir e pode perceber a importância dos livros para "subir" na vida...
    ADOREI!

    MELHORAS PRA TI! NÃO DEVES FORÇAR OS OLHOS! FICA BEM! ABRAÇÃO,CHICA

    ResponderExcluir
  2. Estava na dúvida, parecia-me conhecer o texto mas ao mesmo tempo não lembro de o ter lido.
    Espero que logo fique bem dos olhos. Eu fui operada ao direito, está quase bom, mas a cirurgia do esquerdo correu muito mal, tive hemorragia, descolou a retina lesou a córnea, já fui operada segunda vez, e não sei ainda quantas vezes serei ainda. A retina está colada, mas não vejo nada deste olho e não sei se vou ter de fazer transplante da córnea.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Ah! Está professora maluquinha da 4a.série! Cansada da obrigação de escolher entre os títulos sugeridos pelo governo, e a obrigatoriedade de cumprir, fez algo inusitado. Simplesmente desobedece e escolheu um livro paradidático como base para o estudo da Língua Portuguesa. E incrementou com muitos outros livros. A caixa de papelão e as muitas aventuras a serem desvendadas. Ah!como leram e devoraram todos os livros da caixa de papelão! Descobriram muita coisa neles. Resumiram, caracterizaram personagens, analisaram o tempo, criticaram, inverteram a história, perceberam as diferentes linguagens e aprofundaram os conhecimentos gramaticais. E depois transformaram a leitura numa peça de teatro infantil. Custou- me um processo pela desobediência, mas as sementes lançadas caíram em terra Boa e fértil. A leitura nos faz achar o caminho na escuridão .Nem galhos, nem espinhos nos deixam perdidos quer em bosques quet em florestas ou na imensidão no mar em uma noite escura. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que sufoco, hein??
    Livros, adoro lê-los, daí a cair na lama, jamais.
    Entendi o sentido do seu belo texto.
    Vem a contento nos dias de hoje que a molecada não querem saber de estudar.
    Quando lecionava dava moleza não. Era brava e exigente, mas muitos se formaram em Faculdades Públicas. Meu filho que o diga.
    Mas valeu....
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. Oi,
    Desculpa o erro, estou co muito sono:"a molecada não quer"
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  6. Realmente, amigo: há tempo não lia as tuas bobagens maravilhosas. Teus textos são de uma fluidez perfeita e conteúdo à reflexão! Parabéns e seja bem-vindo a blogosfera! Abraço fraterno! Laerte.

    ResponderExcluir
  7. André meu Caro... em primeiro lugar estimo a sua melhora! Sei o quanto conjuntivite é complicado.
    Que coisa mais linda de ler e sentir de certa forma sendo parte da história, pois quantas vezes não aproveitamos o que recebemos na vida, não é?

    Fantástico! Ótima reflexão!

    Um abraço carinhoso e se cuida viu?


    ResponderExcluir
  8. Você faz falta: fato.
    Mas a saude vem e primeiro
    lugar, ainda mais
    sendo na vista.
    Cuide-se e volte.
    Lindo texto.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  9. Vim desejar uma Santa e Feliz Páscoa.
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Magnífico conto.
    Gostei imenso, parabéns.
    André, um bom resto de semana e uma Páscoa Feliz.
    E as melhoras.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!