quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Tesouros




A muuuuito tempo atrás na pacata escola estadual Professor Antonio Prudente, havia um menininho gordinho, de óculos com armação grossa, e devorador de livros... Eu!
Um belo dia eu peguei o livro "A Ilha do tesouro", do escritor escocês Robert Louis Stevenson. Tudo bem que pra minha idade aquele era um livro um pouco complicado, mas nem tanto assim pra mim. Eu já havia lido D'artagnan e os três mosqueteiros, As aventuras de Simbad o marujo, Robin Hood, Mobby Dick, e mais um monte de clássicos.
Felizmente a biblioteca da minha escola era "a biblioteca", nela tinha muitas obras boas demais, e devorando-as, eu me divertia muito. E para minha felicidade um dia eu peguei  "A ilha do tesouro" pra ler...
Eu me lembro que naquele ano os trapalhões fizeram o filme "O trapalhão na ilha do tesouro" que era um filme maravilhoso. Muito divertido e bem dirigido, esse filme era do tempo em que o Dedé Santana e o Renato Aragão estavam com vontade de se firmarem como pessoas importantes do humor nacional. Eles tiveram a felicidade de fazer esse filme que era totalmente baseado no livro A ilha do tesouro. Ainda hoje de vez em quando me lembro da musiquinha do filme:

Sete homens na arca do defunto,
yohoho, yohoho,
eles bebem e o demônio bebe junto
e depois se encarrega de um por um.

Hahahahaha, como era legal essa musiquinha! Sempre que eu ia brincar de playmobil, eu queria ser algum pirata. Sempre minhas histórias inventadas em nossas brincadeiras tinham uma ilha perdida, um navio fantasma ou algo desse tipo.
Tempos depois eu lí novamente A ilha do tesouro. Eram outros tempos e eu enxerguei outras coisas no livro que me fizeram gostar dele ainda mais. A narrativa do autor, o modo como ele descreveu as cenas e as pessoas... Tudo era maravilhoso.
Os livros clássicos são clássicos porque são maravilhosos. Os autores ficam imortalizados por escreverem obras que nunca ficarão velhas, pois pode o mundo envelhecer, mas aquelas histórias universais sempre serão atuais. A trama, a forma de contá-la... Tudo num clássico vale mais. É mais belo, é mais emocionante.
Semana passada eu acabei de ler pela terceira vez A ilha do tesouro, dessa vez eu novamente encontrei coisas novas, imagens novas, sensações novas.
Eu recomendo a todos vocês que gostam de ler e devoram livros: Leiam os clássicos! Vocês não vão se arrepender nunca! A viagem vale a pena.
Ontem assisti um novo filme chamado: A ilha do tesouro.
Dessa vez a coisa é séria. O filme não á baseado no livro apenas, ele é o livro em imagens. Apesar de que o roteirista do filme ter dado umas mudancinhas aqui e umas acrescentadinhas alí. Ele até interferiu na história de alguns personagens importantes. Mas no geral o filme bebe na fonte do livro em uns 80%. O diretor caprichou. É uma grande e bem feita produção... Chorei! Ví naquelas imagens a minha infância e minhas brincadeiras com o playmobil ganharem vida na minha frente.
Não sou um bom resenhista de filmes, não sei falar tecnicamente. Só sei falar as coisas com o coração. E com o coração eu falo mais uma vez pra vocês:
Leiam os clássicos, aprendam a escrever lendo esses tesouros e depois se der... Assistam os filmes baseados neles.
Todos nós que gostamos de ler só temos a ganhar com isso!

41 comentários:

  1. Eu gosto de ler clássicos. E alguns já li mais do que uma vez. Mas filmes baseados neles tenho visto poucos.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes os filmes estragam os clássicos, as vezes não! Esse aqui é um caso que não estragou!
      Obrigado por aparecer Elvira!

      Excluir

  2. Olá André,

    Você escreve de uma maneira tão descontraída que é uma delícia ler os seus textos.
    Creio que toda vez que relemos um livro descobrimos coisas novas. Penso que nossa visão e percepção vão mudando e vamos enxergando detalhes que antes nos passaram despercebidos.

    Os clássicos são realmente eternos, assim como os livros serão sempre tesouros preciosos em nossa vida. Os filmes são bons de se ver, mas nunca trazem o brilho dos livros que lhes dão origem.

    Ótimo feriado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa Verinha! Obrigado pelo comentário tão gentil!

      Excluir
  3. Olá!Boa noite
    Dedé...meu amigo..
    Aristóteles escreve que ” o homem que não é sábio por si, deve abrir-se a sapiência alheia, mas aquele que não sabe por si e não aprende, esse é um homem completamente inútil." ...e devo muito aos livros um pouco do conhecimento e aprendizado que tenho. Meu gosto especial é por literatura contemporânea. Livros novos mesmo. E diferente de muitos, penso eu, não procuro por autores e sim por livros. Porém, uma coisa que eu não nego nos clássicos da literatura, é a capacidade que eles têm de ampliar nossa visão da humanidade, nosso horizonte intelectual.Eles resistiram à prova do tempo, nos dão um panorama do mundo desenvolvendo-se através de diferentes épocas e muito provavelmente serão relevantes até um futuro distante. Tanto é, que ao se fazer várias releituras, como vc fez da Ilha do Tesouro, a sua visão, sensações, emoções mudam...
    ah...foi boa a minha sensação de lembrança dos Trapalhões originais, e do playmobil...
    Gostei do vídeo/trailler. Boa dica de filme.Não assisti ainda!
    Ótimo final de semana!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Felisão! Belo comentário esse seu!

      Excluir
  4. Falaste realmente com o coração e passaste toda tua emoção sentida ao reencontrar tua infância. LINDO!! abração,chica e ótimo feriadão!

    ResponderExcluir
  5. Oi André, é gostoso ler os clássicos, eu também já assisti vários...
    Sempre que posso faço isso... mas o bom, é sentir a sua emoção!Legal!!
    Beijo
    Mariangela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hhahahahahahahahha obrigado Mary!

      Excluir
  6. André, as suas coisas do coração são deliciosas de serem degustadas. Eu também sou meio assim, não tenho intimidades com técnicas e às vezes tenho receio de comentar algo que gostei e alguem, entendido do assunto, dizer assim: mas isso é um lixo! Mas depois eu nem me importo, porque dou ouvidos pro que o meu coração aponta.

    Muito bacana ler que você chorou vendo o filme. O mundo tem jeito enquanto nele existir pessoas que nem você, com a sentimentalidade à flor da pele. Que massa!

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou chorão mesmo! Hahahahahahha não tô nem aí!
      Obrigadp por aparecer Milene!

      Excluir
  7. Sobre chorar eu choro até assistindo programa de humor, isso é coisa de família fazer o que?
    Seu texto é legal e incentiva a leitura, confesso que li menos do que deveria.
    No meu ponto de vista existem filmes bons e que são dignos dos livros (historias escritas)porém existem filmes que destroem as historias.
    Exemplo: O guarani de José de Alencar eu li várias vezes quando jovem e gostei muito da historia e formei os personagens e a paisagem em minha cabeça, quando a globo resolveu fazer o filme detonou a historia de tal forma que estragou tudo com um indiozinho (Peri)muito esquisito e todos os outros personagens muito mal feitos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehehehehe chorões é coisa dos Mansim ná Tiugo?

      Excluir
  8. Oi André, eu também já li esse livro várias vezes. Realmente é um clássico. É verdade, tem livros que nos fazem chorar, até mais do que filmes. Nos livros a imaginação é que funciona. Aproveita e leia também, se puder, No Coração do Mar. è demais. Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Oi Dedé,

    Tudo bem? Esse livro o Samuel terá como clássico. Lembro que me diverti muito não só com o livro, mas com o filme. Enfim, que os nosso filhos não tenham olhos apenas para o Batman.

    Boam final se semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahhaha isso mesmo Lú Santinha!
      Eu nem gosto do Batman! Hahahahahahahahhahahahha.

      Excluir
  10. Oi André
    Que bom que vc começou a ler bem cedo, eu tenho tentado incentivar meu filho, então vou comprar esse livro também. Ótimo post e ótima dica. Obrigada pelo carinho no blog.
    Bjão. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode comprar Lú! Vc vai gostar!

      Excluir
  11. Dedé, infelizmente só tomei gosto pela leitura depois de velho, mas conseguia ser um bom aluno, e esses clássicos ainda tenho que ler, esse ai em cima não li, mas o Pequeno Príncipe, e outros já li e reli, antes tarde do que nunca, não é?

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca é tarde para começar Chengão!

      Excluir
  12. Gostei dos sete homens.

    Muitas caveira, muita coisa pirataiada nas ruas se vê porque tem.

    Isso se salva de naufrágios:
    http://janisbutterfly78.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do blog! Valeu pela dica Rebel!

      Excluir
  13. Me deu vontade de sugerir um livro ou o filme aos amigos, para quem não leu ou assistiu, eu gostei.

    O menino do pijama listrado.

    ResponderExcluir
  14. Fala André, tudo beleza?

    Eu estava aqui lendo sua postagem e minha mente relembrou duas coisas automaticamente: primeiro, eu adorava brincar com meus playmobils e segundo, como é importante ter uma boa biblioteca numa escola.

    Você me fez lembrar da época em que eu peguei emprestado na biblioteca da escola "O morro dos ventos uivantes". De alguma maneira esse livro me marcou muito, e me ajudou a ser um leitor cada vez mais apaixonado dali em diante. Gostaria que todas as crianças de todas as escolas pudessem ter a chance de viver essa experiência mágica.

    Grande abraço e um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Almirzão! E tão importante quanto uma boa biblioteca é um professor que estimule o aluno a visitar essa biblioteca!

      Excluir
  15. Quando eu era criança também brinquei de pirata com meu primo e a biblioteca da nossa escola também era imensa. Cada vez que lemos um livro, temos uma visão que se altera, toda vez que revisitamos este livro. Hoje tenho a impressão de que os jovens não leem tanto assim, afinal as bibliotecas sempre estão vazias e os shoppings lotados. Retribuindo sua visita no meu blog. Obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Você está certo: todos deviam ler mais os clássicos!! sempre volto aos clássicos, principalmente os da literatura brasileira(e portugesa) com José de Alencar, Machado, Eça, Érico...mas também tenho os clássicos estrangeiros bem guardados aqui na minha biblioteca e é sempre uma aventura ler alguma coisa escrita há cem anos. Comecei a ler O Vermelho e o Negro de Stendhal mas confesso que achei a leitura pesada demais, apesar da história ser interessante.Dei um tempo e parei na página 113. Mas ele fica alí onde eu o coloquei me convidando a deixar a preguiça mental de lado. Aliás, preguiça mental é exatamente o que livros considerados best-sellers de hoje nos provocam(mesmo eu gostando muito deles, como os livros do Dan Brown).
    Enfim, amigo gordinho, adorei ler sua postagem.(como sempre)
    abraços

    ResponderExcluir
  17. Que linda postagem, Dé!!!! É bom saber que isso lhe marcou... e, certamente, vc passará isso adiante, para o Samuquinha, assim como está passando aqui para nós!

    Esses clássicos precisam continuar sendo lembrados... assim como muitas outras maravilhas de nosso tempo e dos tempos mais passados ainda! rs

    Ahhh, estou de volta, viu!?!?!? rs


    bjks em todos aí!

    JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que voltou Jó!

      Excluir
    2. Anônimo13.11.12

      poisé...rs

      Excluir
  18. Olá, grande amigo André!
    O livro e o filme são ótimas dicas para quem quer aprender algo e se divertir.
    Além de bom gosto, tens facilidades de expressão para apresentar bem a ponto de despertar no leitor desejo e curiosidade em ler o livro ou assistir ao filme.
    Realmente a arte é atemporal e independe de idade para ser valorizada e apreciada.
    Acho que escreves com coração e também com a razão.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Olá meu amigo, bom dia! Hoje tirei um tempinho pra visitar os meus blogs amigos!
    É verdade: os clássicos são muito bons!
    Eu também, desde criança, devorava os livros.
    Li os contos dos irmãos Grimm e viajava nas histórias...
    Me imaginava vivendo tudo aquilo..rsrs
    O livro do Tarzan, e tantos outros...
    Os clássicos vão ser sempre atuais!
    Um grande abraço, que Deus o abençoe.
    Adelisa.

    http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Quando lemos, permitimos que a imaginação faça festa. Vemos os personagens descritos, assistimos seus atos, rimos e choramos com eles. Os filmes sempre deixam a desejar e, algumas vezes, destroem a imagem linda que havíamos criado quando da leitura. Os livros não sucumbem aos efeitos do tempo, em seu conteúdo. Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Vendo o seu brilhante artigo meu caro André; me vem também um certo pesar. E porque? Respondo: num país em que o hábito da leitura nunca foi um dos melhores, e por vários aspectos, com a internet essa situação tende a se acentuar ainda mais. Queira Deus as novas maneiras da leitura, por via digital, consiga cultivar nas pessoas esse hábito, ainda que sem poderem sentir em suas mãos o formato de um livro. Parabéns pelo artigo. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  22. Concordo Dé! Os clássicos fazem toda diferença na nossa biblioteca particular! São obras atuais e é bem como vc disse a cada lida vc encontra fatores novos, pontos de vistas diferentes. Por isso são chamados clássicos! Belíssimo texto! Adoro ler vc meu amigo!

    ResponderExcluir
  23. Cara, já li tanto livro que daria para fazer outra Torre de Babel, mas não tenho certeza de já ter lido esse clássico, então está na agenda! Falando nisso vou fazer agora mesmo uma página com os livros que ainda quero ler! Abraços!

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, volte sempre!